carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Frigorífico de ovinos e caprinos vai estimular produção no Tocantins

postado em 03/08/2015

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Em Aliança do Tocantins, a ministra Kátia Abreu (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) lançou nesta segunda-feira (03) a pedra fundamental do Frigorífico de Pequenos Animais, no Complexo Agroindustrial de Apoio ao Desenvolvimento Sustentável da Cadeia Produtiva de Ovinocultura do Matopiba (região formada por partes do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia).

A planta frigorífica vai absorver a produção de ovinos e caprinos local e será construído com recursos de uma emenda parlamentar de autoria de Kátia Abreu em 2013, quando exercia o mandato de senadora pelo Tocantins. A verba também vai garantir a construção de uma fábrica de ração.  A fábrica e o frigorífico fazem parte do programa de estímulo à ovinocultura apresentado pela ministra durante o Seminário Nacional da Ovinocultura, em Aliança.

O frigorífico de pequenos animais será gerido em forma de comodato com a prefeitura de Aliança por uma cooperativa, que será criada para esse fim. A Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar) vai cooperar com o projeto. “O poder público vai garantir a construção e deixamos para a iniciativa privada a gestão desse frigorífico”, disse a ministra. Em dois anos, acrescentou Kátia Abreu, o frigorífico poderá começar a funcionar. “Não temos dúvida de que esse empreendimento será o começo de muitas coisas boas que virão para o nosso município, porque temos à frente desse projeto nossa senadora e ministra que olha para este estado”, afirmou o prefeito de Aliança do Tocantins, Paulo Pequi.

Planta

A planta precisará de cerca de 20 mil matrizes para começar a operar, número alcançável, já que no entorno de 100 km do frigorífico há atualmente 12 a 15 mil cabeças. “Com trabalho sério, que eu sei que essa região sabe fazer, a gente chega às 20 mil matrizes num prazo relativamente curto”, destacou o consultor em agronegócio André Sório, que colaborou na elaboração do programa.

Entre as vantagens da criação de cordeiro, está o pequeno espaço necessário para uma grande quantidade de matrizes. “A lucratividade também pode ser alta. Enquanto a arroba do boi, por exemplo, está entre R$ 125 e R$ 130, a da carne ovina está entre R$ 180 e R$ 200”, disse a ministra. Entre as ações de estímulo a essa cadeia, também está a ampliação da rodoviária de Aliança, um centro de convenções para oferecer capacitação aos produtores e o shopping do carneiro.

“Vamos ter na entrada da cidade uma réplica de um carneiro com uma placa: ‘Capital do Carneiro’. Temos que envolver todas as áreas da produção e da comunicação [no programa]. Precisamos dar essa sustentação e vamos trabalhar para consolidar a região”, afirmou a ministra.

As informação são do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 
 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade