Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

G-8 discute rumo das políticas agrícolas

postado em 17/04/2009

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Começa neste final de semana, na Itália a reunião do G-8 para discutir assuntos agrícolas. O G-8, grupo dos sete países mais ricos do mundo (mais a Rússia), convidou para a reunião agrícola deste fim de semana na Itália os ministros do G-5 (Brasil, China, Índia, África do Sul e México), além de Argentina, Austrália e Egito, para o que pode ser o início do redesenho de políticas agrícolas.

Na reunião do G-8 com os emergentes, a expectativa é de definição de uma agenda que passa também por luta contra a especulação no setor agrícola, encorajamento aos investimentos nos países pobres e melhora na produtividade agrícola e na cadeia alimentar.

"Sabemos que, se os preços do petróleo começarem a subir de novo, quase certamente os preços dos alimentos vão subir junto. Aí, uma nova crise alimentar global ainda será uma realidade", diz David Navarro, coordenador de um Grupo da ONU sobre segurança alimentar.

Sobretudo a FAO alerta para o problema estrutural da agricultura. O aumento da população e do nível de vida em países em desenvolvimento pode conduzir à falta de alimentos e ameaçar a estabilidade mundial. Uma saída é dobrar a produção de alimentos até 2050, em meio a desafios envolvendo impacto sobre mudanças climáticas, por exemplo. Arábia Saudita e Coreia do Sul já buscam terras em outros países para garantir o abastecimento futuro.

O Brasil entra prejudicado no embate entre países exportadores e protecionistas no primeiro cúpula agrícola do G-8, neste fim de semana, devido à ausência de seu ministro de Agricultura na reunião que discutirá estratégias para reforçar a produção e evitar futuras crises alimentares.

A ausência do ministro da Agricultura limita o papel que o país poderia ter na negociação. Por melhor que sejam os técnicos que representarão o Brasil, a falta de uma personalidade política do setor dá um sinal negativo e exclui o país entre os pesos pesados que negociarão sobretudo informalmente. Um negociador europeu nota que "sem ministro não dá para impulsionar uma agenda positiva do país" nesse tipo de reunião.

A assessoria de imprensa do ministro Stephanes informou que o ministério avaliou que "a pré-agenda não carecia da necessidade de participação efetiva do Ministério e foi sugerido ao Itamaraty que o embaixador José Marcondes (represente na FAO) represente o país".

De imediato, grupos agrícolas do G-8 defendem a criação de estoques globais de produtos agrícolas para melhorar a estabilidade da oferta e evitar choque de preços. O Brasil é reticente à ideia, desconfiando que teria de pagar parte da conta como um dos produtores mais competitivos.

O grupo da ONU sobre segurança alimentar, representado por Navarro, estima que o futuro da produção alimentar não pode se basear só na agricultura em grande escala e que é preciso intensificar pequena produção, cooperativa e outros métodos, indo mais na direção oposta da agricultura comercial brasileira.

Também a França e a Itália pressionam pela ideia de políticas agrícolas locais como uma maneira de promover o desenvolvimento da agricultura, e normalmente com subsídios. A China é dada por alguns analistas como exemplo de país que garante sua segurança alimentar com gastos crescentes na área agrícola. A questão, porém, é como os chineses gastam esse dinheiro, notam outros especialistas, evitando dar uma carta de boa conduta a Pequim.

Aparentemente, foi retirada do texto da declaração da reunião a proposta de uma estratégia global de segurança alimentar que passaria pela redução do consumo de carnes em favor de uma "dieta mais balanceada" com produtos mais locais. Mas ninguém garante que o tema não volte neste fim de semana.

A matéria é de Assis Moreira, publicada no jornal Valor Econômico, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

andreya vaz vilela

Ituiutaba - Minas Gerais - Produção de gado de corte
postado em 19/04/2009

A atitude do ministro Stephanes reforça mais uma vez a seriedade com a qual ele trata os interesses do agronegocio brasileiro.

Ele faz muito bem em não se sujeitar a participar de mais uma "agenda" internacional que trata da segurança alimentar no mundo.

As estrategias globais são elaboradas com o intuito escandaloso de manter a segurança alimentar dos paises pertencentes ao G8. Não apresentam nenhuma proposta equilibrada de conciliar produção, renda e abastecimento a todos os elos da cadeia produtiva mundial.

Parabens ao ministro!

A meu ver este é o ministro da agricultura mais serio e isento de interesses paralelos que o Brasil ja teve.
Espero que "Forças Ocultas" nao consigam destitui-lo desse cargo.

Sucesso ministro!

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade