Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Genética ovina neozelandesa poderá ajudar produtores britânicos

postado em 10/12/2012

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A rede varejista britânica peso-pesado, Marks and Spencer, está recomendando que os produtores britânicos comprem genéticas ovinas neozelandesas para melhorar sua indústria. A varejista disse que sua pesquisa mostra que os ovinos neozelandeses poderiam melhorar a eficiência e sustentabilidade da indústria ovina britânica, porque os ovinos da Nova Zelândia são mais produtivos e têm menores pegadas de carbono.

"Há vários anos, a volatilidade comercial tem aumentando o número de produtores de ovinos que deixam a indústria no Reino Unido", disse o porta-voz do Marks and Spencer, Steve McLean. "Nos últimos sete anos, trabalhamos com a Focus Genetics e vários produtores britânicos para tentar replicar a produção modelo de cordeiros da Nova Zelândia no Reino Unido".

O Marks and Spencer contratou o Agri-Food and Biosciences Institute e o College of Agriculture, Food and Rural Enterprise para realizar uma pesquisa em um "experimento sustentável de cordeiro". O experimento investigou os méritos de usar as raças Highlander e Primera nos rebanhos ovinos britânicos para maximizar o valor.

O experimento comparou um sistema "típico" de produção britânica, usando raças Mule e Texel, com rebanhos contendo genéticas Highlander e Primera. O desempenho foi registrado durante produção e processamento, seguido por pesquisas do gosto dos consumidores.

O experimento concluiu que a mudança de ovelhas Mule para Highlander oferecia a oportunidade de desenvolver uma cadeia mais sustentável de cordeiros, incluindo menos emissões de gases de efeito estufa, disse McLean. A eficiência de processamento e a qualidade de consumo da carne foram mantidas. A substituição de carneiros Texel pelo Primera resultou em taxas de crescimento mais rápidas e maior proporção de cortes de alto valor, disse ele.

"Reconhecemos que existe um grande número de diferentes sistemas de produção no Reino Unido e esse experimento é simplesmente para estabelecer informações de base para permitir que os produtores tomem suas próprias decisões informadas sobre o modelo de produção que melhor se adequa à sua fazenda".

A reportagem é dohttp://www.stuff.co.nz/, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade