Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Governo empossa novo presidente do Banco do Brasil

postado em 09/04/2009

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Ontem, 08, durante a posse do novo presidente do Banco do Brasil (BB), o paulista Aldemir Bendine, administrador de empresas e funcionário do banco desde de 1978, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, cobrou dele "ousadia" e "agressividade", explicando que sua administração deverá ter como meta a redução dos juros e o aumento do volume de crédito. Será a primeira vez que o presidente de um banco público brasileiro terá que cumprir metas de reduzir o "spread" bancário (diferença entre os juros cobrados do cliente e o custo de captação de recursos no mercado).

O mercado não gostou da mudança, e as ações do BB caíram 8,15% num dia em que a Bovespa subiu 0,82%. Mantega prometeu que o maior banco federal não vai perder rentabilidade com a queda dos spreads porque vai aumentar seu volume de crédito. Segundo o ministro, outro objetivo da nova gestão é reorganizar o setor de seguros porque, nessa área, o BB está atrás de outros grandes bancos.

A agressividade para ocupar mais espaço no mercado não significa, de acordo com Mantega, abrir mão de segurança e responsabilidade na administração do Banco do Brasil. Como exemplo, citou que a inadimplência do BB é cerca de metade da média do mercado. "O banco vai continuar tendo lucros. Os acionistas podem ficar tranquilos", prometeu o ministro da Fazenda. "Bendine vai assumir com um mandato, com um "contrato de gestão", com o compromisso de implementar políticas que vão aumentar ainda mais o volume de crédito a ser liberado pelo banco", disse.

Embora os juros do BB sejam mais baixos do que os das instituições privadas, a Caixa Econômica Federal mantém os menores juros entre os dez maiores bancos do país. Apesar de ser controlado pelo Estado, o BB é uma empresa de capital aberto, ao contrário da Caixa, 100% do governo. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva anda insatisfeito com a resistência do BB em baixar o spread. "Precisamos fazer o spread bancário voltar à normalidade no país", disse.

O ex-presidente do banco, Antônio Francisco de Lima Neto, disse ter deixado o cargo por decisão própria, após "ter cumprido seu ciclo à frente" do BB. Em breve explicação sobre sua saída, ele negou pressão para entregar o cargo. A oposição criticou o governo, alegando que a substituição foi uma movimentação política.

As informações são de Juliana Rocha e Simone Iglesias, da Folha de SP, resumidas e adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade