Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Governo muda seleção de diretores da Embrapa

postado em 13/04/2011

4 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O processo de seleção dos diretores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), baseado em critérios técnicos de recrutamento, será extinto por intervenção direta da presidente Dilma Rousseff. E o mandato de três anos garantido aos diretores da estatal valerá somente para os atuais executivos recém-confirmados no cargo.

Em meio à disputa de grupos internos pelo comando da principal instituição de pesquisa rural do país, o Palácio do Planalto interveio na condução da empresa para "adequar" a estratégia às suas prioridades. Em sua análise, a presidente identificou uma "excessiva autonomia" da atual direção, a necessidade de rever planos para o orçamento de R$ 1,8 bilhão em 2011 e o desejo de "ajustar" o foco da empresa.

A Embrapa tem papel fundamental no monitoramento por satélite das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e no sucesso da transferência de tecnologia a países da África, continente onde o Brasil disputa influência com a China.

Na teoria, a seleção faria "blindagem" contra ingerências políticas na empresa. Mas estimulou as disputas. As brigas internas renasceram sob o comando do atual presidente Pedro Arraes. O grupo de "fundadores" da empresa se indispôs com sindicato dos trabalhadores. A bancada do PT passou a reivindicar mais espaço e a reclamar da forte influência dos ruralistas nos rumos da empresa. Como pano de fundo, estavam divergências sobre parcerias com multinacionais do agronegócio, tratamento desigual à agricultura familiar e abordagem das questões ambientais da Embrapa.

Insatisfeita com a conflagração, a presidente Dilma Rousseff resolveu ter mais controle sobre os destinos da Embrapa. A Casa Civil ordenou ao Conselho de Administração (Consad) da empresa o fim do "comitê de busca" dos diretores. E avisou que os novos indicados poderão ser substituídos. O próprio Pedro Arraes, no comando desde julho de 2009, está sob ataques. No ato de nomeação de Arraes, não constou a "garantia" do mandato de três anos como no caso dos novos diretores, todos pesquisadores concursados, que devem permanecer até abril de 2014.

O sindicato dos trabalhadores (Sinpaf) comemorou a decisão: "O estatuto não prevê comitê nem dá poderes ao Consad para isso", disse Vicente Soares de Almeida. Para ele, o comitê não "blindou" a empresa de indicações políticas. "Veio goela abaixo depois que Pedro Arraes assumiu e quis fazer o mesmo com seus diretores. Não teve transparência. Não se sabe pontuação para critérios, etapas do processo nem teve espaço para questionamentos".

A reportagem é de Mauro Zanatta, para o jornal Valor Econômico, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

ALCANCE PECUÁRIA

Bauru - São Paulo - Técnico
postado em 13/04/2011

A ingerência do governo numa area essencialmente tecnica,com certeza trará problemas,o que é um grande perda pois a Embrapa tem siso um marco de pesquisa e desenvolvimentono Brasil.É uma pena.

Eugenio Mario Possamai

Água Boa - Mato Grosso - Produção de gado de corte
postado em 16/04/2011

Nosso governo começa a por suas manguinhas de fora, em todas as empresas do governo se fosse algo sério, deveria ser somente supervisionada pelo mesmo, e não colocado seus diretores por indicações políticas, pois ali é que as influencias são mais escandalosas e os interesses de partidos mais acirados, uma vez que quando um cacique fica desgostoso funda seu próprio partido para poder comandar e disputar cargos no governo, uma vergonha.

Jose Eduardo da Silva

Janaúba - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 17/04/2011

se a embrapa entrar nessa de politicagem , babau embrapa, ficara totalmente desacreditaDA. VAMOS COM NOSSO ARROZ COM FEIJÃO GENTE.

claudio dabus figueiredo

figueiropolis d´oeste - Mato Grosso - Produção de gado de corte
postado em 17/04/2011

Na EMBRAPA temos o Brasil que da certo,na política ao contrario,o atraso total.
Que tenhamos a luz como vencedora dessa ridicula querela, entre política, sindicatos e a ciencia.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade