Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Governo prevê aumento da classe C de 9,7% até 2014

postado em 11/08/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O governo federal estima que o processo de expansão da classe C continuará nos próximos anos. A fatia social, que hoje representa um contingente de 103 milhões de brasileiros, deve chegar a 113 milhões em 2014, segundo o relatório Economia Brasileira em Perspectiva, divulgado nesta terça-feira (10) pelo Ministério da Fazenda.

O documento mostra ainda que as classes C e D já superam a B em poder de consumo, o que, segundo o governo, demonstra as condições macroeconômicas favoráveis para as camadas de menor renda, com destaque para o aumento do salário mínimo, o controle da inflação, a criação de empregos e programas de assistência social.

O Ministério da Fazenda projeta criação de 2,2 milhões de vagas formais até o fim do ano, além do maior salário mínimo real (descontada a influência da inflação) nos últimos 20 anos (com valores computados em dólares, para comparação). Segundo o relatório, o crescimento do mercado de trabalho e da massa salarial seguirão constantes.

Crédito

O relatório mostra ainda que o volume de crédito total no país fechou o primeiro semestre com desembolso recorde, equivalente a 45,7% do PIB (Produto Interno Bruto).

O volume total de crédito ultrapassou R$ 1,5 trilhão no primeiro semestre, sendo que o crédito para a pessoa física liderou a expansão no período, com ganho de 16,6% no acumulado dos últimos 12 meses até junho.

A alta nas modalidades de crédito de menos risco, como o consignado e o financiamento imobiliário, além da redução dos juros médios cobrados, dos spreads (diferença entre a taxa de captação do banco e aquela que ele cobra do cliente) e da inadimplência, colaboraram para a expansão do crédito, afirma a Fazenda.

O crédito para a pessoa jurídica também apresenta uma retomada, o que pode ser explicado pela expansão do nível de atividade, estimulando as empresas a voltarem a promover investimentos.

Juros

O relatório da Fazenda aponta que as taxas de juros (tanto a Selic como a taxa real, que considera o juro básico descontada a inflação nos 12 meses seguintes) atingiram o menor patamar histórico em 2009, mostrando que é possível manter a inflação sob controle com juros mais baixos. Contudo, aponta a tendência de alta verificada em 2010.

A reportagem é do jornal Folha de S.Paulo, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade