Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Grãos: CNA prevê safra maior que esperada pela Conab

postado em 08/10/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A produção nacional de grãos e algodão na safra 2010/2011 pode superar as previsões divulgadas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que indicam colheita de 145,7 a 147,93 milhões de toneladas na safra que está começando a ser plantada. "O volume produzido pode somar 151 milhões de toneladas, resultado que depende, em grande parte, do clima favorável durante o período de plantio, de desenvolvimento das lavouras e também da colheita", ressalta a superintendente técnica da CNA, Rosemeire Cristina dos Santos.

Neste ano, os custos de produção estão entre 8% e 10% menores, reflexo do câmbio. A valorização do real frente ao dólar reduz o preço final dos insumos que o Brasil precisa importar para plantar a safra, o que é um fator positivo a ser considerado no ano-safra. Números da CNA mostram que as vendas de fertilizantes, no acumulado de 2010 até agosto, cresceram 3% em comparação a igual período do ano passado, o que é um indicativo de aumento na área plantada com grãos. Em todo o ano de 2009, foram vendidas 22 milhões de toneladas de fertilizantes. No acumulado de 2010, as vendas já somam 17 milhões de toneladas. "Os números mostram que, além do aumento da área, o nível tecnológico da safra 2010/2011 deve ser bom", explica a superintendente.

A elevação dos preços das principais commodities agrícolas no mercado externo favorece os produtores brasileiros. Reflexo desse quadro é a venda antecipada da safra. Estimativas da Superintendência Técnica da CNA mostram que 40% da próxima safra de soja do Centro-Oeste já foi vendida. No algodão, esse percentual é de 60%. Se a valorização do real frente ao dólar barateia as importações de insumos, também reduz a receita cambial obtida com as exportações, o que, segundo a CNA, é um fator negativo para o produtor, que perde parte da renda quando exporta. "Por enquanto, o quadro é de equilíbrio", afirma.

Para a superintendente, a valorização dos preços da soja e do algodão no mercado internacional vão estimular o plantio, decisão que depende do registro de chuvas nas regiões produtoras. Esses produtos são dois dos destaques da safra que começa a ser plantada. No primeiro caso, a demanda crescente por parte da China, que tem ampliado as importações dos produtos do complexo soja do Brasil, justifica o interesse do produtor brasileiro em investir na cultura. Para o algodão, o suporte vem do desequilíbrio no quadro mundial de oferta e demanda.

Para a CNA, outro produto de destaque no próximo ano será o milho, cujos preços estão se recuperando no mercado interno e no exterior. Números do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) mostram que a produção mundial de milho somou 810 milhões de toneladas na safra 2009/2010. Na safra, os estoques finais somaram 138,9 milhões de toneladas. Para 2010/2011, a previsão é de colheita mundial de 826 milhões de toneladas. Os estoques no final da safra devem cair para 135 milhões de toneladas. "A previsão é de redução de três milhões de toneladas nos estoques mundiais, o que é uma sinalização de que os preços podem continuar favoráveis à cultura", completa.

As informações são da CNA, resumidas e adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade