Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Guerra cambial continua e Dólar deve seguir em baixa

postado em 18/11/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

"A situação externa é bem delicada. É melhor colocar as barbas de molho e tomarmos medidas para nos proteger." A frase dita pelo ex-ministro da Fazenda Delfim Netto sintetiza a avaliação dos economistas que participaram na Fecomércio-SP do evento que debateu a atuação do Brasil na última reunião do G-20, na Coreia do Sul.

Os especialistas concluíram que no encontro do G-20 quase nada foi definido. Segundo eles, isso significa que a guerra cambial, liderada por EUA e China, deve se aprofundar no curto prazo. "É preciso de certo banho de realismo", disse Delfim Netto, ao ressaltar que os problemas econômicos nos EUA são tão sérios que não há perspectiva de que a Casa Branca atenuará a política de desvalorização de sua moeda. O enfraquecimento do dólar norte-americano, segundo o presidente do Conselho de Planejamento Estratégico da Fecomércio, Paulo Rabello de Castro, é vital para que a administração Barack Obama tente reduzir o forte desemprego do país com o incremento das exportações. "A partir da crise [de 2008], foram perdidos 10 milhões de empregos norte-americanos", ressaltou o economista.

"Como os EUA precisam gerar por ano 1,5 milhão de novos postos para atender a população que ingressa no mercado de trabalho, isso significa que a economia daquele país precisa criar 600 mil empregos por mês, o que é o dobro do que era absorvido quando o Produto Interno Bruto [PIB] crescia 3,5%", disse Delfim Netto. Os EUA registraram uma queda do PIB de 2,6% em 2009 e deve apresentar uma expansão de 2,7% neste ano, de acordo com estimativa do banco JPMorgan.

Para o ex-diretor do BC Luiz Augusto Candiota, a reunião do G-20 não produziu nada e destacou que não é possível tratar uma crise de emprego e comercial com uma guerra cambial. "Será uma luta de cada um por si", disse. "Os EUA querem dividir a conta [dos seus problemas] com o resto do mundo", ressaltou. Ele destacou que o "vento de cauda" a favor que o Brasil captou até meados de 2008, com a forte expansão da economia mundial, certamente não será registrado nos próximos anos. Segundo Candiota, a forte apreciação das commodities apurada nos últimos meses é um fato que não tem respaldo com a produção física destes produtos. Na avaliação de Paulo Rabello de Castro, em função da dificuldade da retomada da economia mundial, os preços das commodities em geral no mercado internacional estão sobrevalorizados entre 25% e 30%.

As informações são do DCI, resumidas e adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade