Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

IBGE: Censo aponta desenvolvimento da Agropecuária

postado em 01/10/2009

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Muito aguardados pelo setor, os resultados do Censo Agropecuário 2006, divulgado ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estática (IBGE), mostra um setor rentável, dinâmico, usuário de tecnologia intensiva, de alta produtividade e com menos oportunidades de emprego. De acordo com o levantamento, o setor é composto por 5,17 milhões de propriedades.

A posse da terra, contudo, continua concentrada nas mãos de poucos proprietários. O índice que mede a concentração da estrutura fundiária, piorou. Passou de 0,856 para 0,872 no país - quanto mais próximo de 1, mais desigual é a distribuição da posse.

O IBGE afirma que apenas 2,7% da área total está divida em propriedades menores de 10 hectares, enquanto propriedades acima de 1 mil hectares representam 43%, embora essas grandes extensões representassem 1% dos estabelecimentos rurais.

O valor total dos bens em mãos do setor rural atingiu R$ 1,24 trilhão em 2006, mostra o IBGE. Quase 71% desse patrimônio estava imobilizado em terras. Instalações e benfeitorias (9,3%), animais (8%), máquinas (6,4%) e matas (2%) completavam os ativos dos produtores rurais. "A terra ainda é importantíssima para a formação do patrimônio rural", afirma o coordenador-geral de planejamento estratégico do Ministério da Agricultura, José Garcia Gasques.

Em 2006, a atividade principal dos estabelecimentos agropecuários era a criação de bovinos, identificada em mais de 30% deles. Em seguida, vinham o cultivo de outras lavouras temporárias (que inclui feijão e mandioca), em cerca de 18% dos estabelecimentos; o cultivo de cereais (12%) e a criação de aves (9%).

Os estabelecimentos pesquisados obtiveram um valor da produção total de R$ 147,26 bilhões, dos quais 77,07% (R$ 113,49 bilhões) provenientes da Produção Vegetal. Os estabelecimentos que têm como atividade principal a cana-de-açúcar ou a soja ficaram com a maior participação no valor da produção agropecuária (ambos 14%), seguidos por aqueles que se dedicam à criação de bovinos (10%).

O estudo de 775 páginas assinado pelo IBGE aponta, ainda, que as lavouras de soja e cana têm avançado sobre pastagens naturais, o que concentrou o valor total da produção no ramo vegetal (77%). Mas, nesses últimos dez anos, houve também um forte crescimento na criação do gado bovino, sobretudo em Estados da Amazônia, onde os preços da terra são mais baratos.

O rebanho chegou a 171,6 milhões de cabeças. Ao mesmo tempo, a agropecuária reduziu em 23 milhões a área ocupada, em boa medida cedida a novas unidades de conservação e terras indígenas. Em 2006, foram 330 milhões de hectares. Há dez anos, eram 353,6 milhões.

Em 2006, a produção de café em grão foi de 2,3 milhões de toneladas e atinge um crescimento de 26,0% em relação ao Censo 1995-96. A redução de 6,9% na área colhida foi compensada por um acréscimo de 35,3% no rendimento médio. As condições meteorológicas, em geral favoráveis desde a época da floração, no final de 2005, foram a principal responsável pelos bons resultados de 2006. O Brasil é o maior produtor mundial de café.

Em relação ao crédito, o levantamento oficial aponta que somente 18% dos produtores tiveram acesso a empréstimos bancários no período. E, para surpresa dos especialistas, 43% dos entrevistados - ou 2,2 milhões de propriedades - declararam "não precisar" de financiamentos para tocar suas atividades. Os motivos são falta de garantia pessoal, desconhecimento do processo, burocracia excessiva ou dificuldades em pagar financiamentos anteriores.

O Censo mostra que 34% das despesas totais de R$ 111,3 bilhões dos produtores estavam concentradas na aquisição de insumos (adubos, corretivos, sementes e agrotóxicos). Além disso, a pesquisa mostra que 9,5% das receitas totais das propriedades vêm de salários obtidos fora das fazendas ou de aposentadorias e pensões.

O minucioso levantamento do IBGE mostra algumas mazelas do setor. A grande maioria dos produtores entrevistados em 2006 eram analfabetos ou sabiam ler e escrever, mas não tinham frequentado a escola (39%) - 43% deles não possuíam o ensino fundamental completo, totalizando mais de 80% de produtores rurais com baixa escolaridade.

Os dados revelam que 18,9% da população ocupada no país trabalhavam em estabelecimentos agropecuários - 77% dos ocupados tinham laços de parentesco com o produtor e 35,7% não sabiam ler e escrever. Em 2006, havia mais de 1 milhão de crianças com menos de 14 anos de idade trabalhando na agropecuária.

As informações são do IBGE e do Valor Econômico, resumidas e adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Paulo Luís Gonçalves Campelo

Belo Horizonte - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 01/10/2009

O Governo interfere muito na Agricultura e na Pecuária sem nada entender do assunto. Os homens que governam o Brasil hoje só entendem mesmo é de movimentos sindicais e de badernas, eles adoram uma boa teta para mamarem sem precisar suar a camisa.

Em um passado próximo a Agricultura e a Pecuária formavam o setor responsável pelo equilíbrio da Balança Comercial do nosso País, mas isso ficou no passado, hoje o Agricultor e o Pecuarista não consegue mais viver do que produz no campo, ficou inviável, conseguiram inviabilizar o negócio de quem vivia exclusivamente do trabalho na terra, estão fazendo exigências absurdas para justificar a desapropriação das terras, as quais serão entregues aos, também baderneiros e sanguessugas, do MST. Depois de tanta burrada do Governo, hoje o Agricultor e o Pecuarista são vistos como bandidos, pois estão violando as novas leis. Entreguem as terras ao MST e vamos todos comer grilos e lagartas, porque dalí não vai sair nada.
Nós Brasileiros meracíamos outro destino, a cair nas garras dessa gente.

Carlos Marcelo Saviani

Madison - Wisconsin - Estados Unidos - Diretor Global de Marketing na Genus ABS
postado em 05/10/2009

Finalmente! Entao podemos dizer que temos na verdade 171,6 milhoes de cabecas?

Muito obrigado por esta importante informacao!

Um Abraco,

Saviani

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade