Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Índia trava Doha e negociações param

postado em 22/09/2008

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Fracassou a última tentativa dos negociadores de salvar a Rodada Doha. No último final de semana, os sete principais atores das negociações chegaram à conclusão de que não há como seguir debatendo. Nenhuma nova reunião está sendo pensada, ainda que o chanceler Celso Amorim tenha programado um encontro com a representante de Comércio dos Estados Unidos, Susan Schwab, para os próximos dias, em Nova York.

Brasil, Índia, EUA, Europa, Austrália, China e Japão exploraram formas de solucionar o impasse na questão envolvendo a importação de alimentos por parte de países emergentes, como Índia, Indonésia ou China. Esses governos queriam ter o direito de estabelecer barreiras todas as vezes que notassem que há um surto de importações que afetaria seus produtores locais. Para os americanos, interessados nesses mercados, a barreira não era aceitável se significar uma redução do mercado.

Em julho, o processo fracassou exatamente por causa desse ponto. "Não conseguimos avançar e não há nenhuma previsão de como podemos fazer isso", disse o embaixador do Brasil Roberto Azevedo.

O cenário mais provável é de que qualquer definição fique mesmo para 2009, quando um novo governo assume o poder nos EUA.

Diplomatas que estiveram nas reuniões revelam que o problema teria sido com a intransigência da Índia, que insistia que só com um mecanismo para impor barreiras a produtos agrícolas é que poderia aceitar um acordo.

As informações são da Agência Estado.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

José Manoel de Oliveira Moura

Goiânia - Goiás - Produção de leite
postado em 23/09/2008

Mais uma vez, a história se repete, o regime capitalista(leiam neo liberal), apesar de pregar a igualdade, a liberdade sem limites, ou seja, entre pessoas, entre cidadãos, livre comercialização, na prática é xenofobico, anticomercial, discriminatório, para não dizer predatório.

Nossa política internacional, pacifista, mais uma vez verga-se diante do poderio econômico internacional. Entretanto, nem sempre foi assim, num passado muito recente, homens como Rui Barbosa (dentre outros) iam até as últimas conseqüências para defender os interesses desta nação, não raras vezes, dirigia-se as cortes internacionais para defender nossos interesses. E pasmem, poucas vezes trouxe na bagagem de volta a derrota. Iniciou sua brilhante carreira, advogando as causas perdidas como a defesa das eleições direitas, abolição da escravatura, político destacado pela sua ética, contra os coronéis da Republica Velha, por fim, projetou-se internacional durante a Conferência da Paz em Haia (1907), defendendo com brilho a teoria brasileira de igualdade entre as nações.

Tenho certeza, que o brilhante brasileiro, que orgulha-se de ser brasileiro, ainda vive entre nós. Falta-nos, creio eu, organizarmos nossas fileiras e defendermos o Brasil, tanto aqui, quanto lá.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade