Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Indústria de alimentos prevê forte crescimento em 2010

postado em 17/12/2009

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O setor de alimentos e bebidas tem expressado seu otimismo em relação ao ano de 2010 por meio de percentuais graúdos. A Nestlé, por exemplo, planeja faturar 12% mais que neste ano. Na Bauducco, a meta é crescer no mínimo 15%. Já a Empresa Brasileira de bebidas e Alimentos, a Ebba, aposta em vendas 112% melhores. Não é para menos: 2009 não teve crise para os fabricantes de alimentos e de bebidas. "Foi um ano fenomenal e esse crescimento deve continuar nos próximos 12 meses embalado pela recuperação do poder aquisitivo de toda população - e das classes C, D e E, em especial", diz João Carlos Lazzarini, diretor de atendimento a varejistas da Nielsen Brasil.

Ao contrário de setores como o automotivo e o de eletroeletrônicos, o começo do ano foi bom para os fabricantes de alimentos e bebidas porque foi esse o período em que as commodities voltaram a um patamar de preço próximo da normalidade, depois de terem disparado em 2007. Tanto é que a Nestlé Brasil, a maior empresa de alimentos do país, em 2008, cresceu apenas 4,6% em relação a 2007, passando de um faturamento R$ 12,4 bilhões para os R$ 13 bilhões do ano passado.

A expectativa agora é fechar 2009 com alta real de faturamento de 7%, ou 10% organicamente (incluindo aquisições, arrendamentos e aumento da capacidade produtiva). Ou seja: a multinacional quase dobrou o ritmo de crescimento e chegará aos R$ 15,5 bilhões. E não vai parar por aí. A meta em 2010 é crescer o dobro do PIB do país, o que deverá resultar em uma elevação de cerca de 12% nas vendas. "Até 2012 vamos chegar a R$ 30 bilhões", afirma Ivan Zurita, presidente da companhia no país.

Itens com apelo de conveniência e praticidade devem ter grande destaque no ano que vem, conforme Lazzarini, da Nielsen. "As classes C, D e E têm mostrado preferência por esse tipo de produto", afirma. É por isso, segundo ele, que as vendas de artigos perecíveis (iogurtes, queijos, pratos prontos refrigerados e embutidos) cresceram até agora 6% em volume no ano, conforme dados preliminares da Nielsen. É o triplo da evolução média geral de todos os itens de alimentos e bebidas, que ficou em 2% no mesmo período.

Outro fenômeno também vai continuar beneficiando o setor no próximo ano: o aumento de categorias de produtos consumidos com frequência pela população. Segundo um levantamento divulgado pela Nielsen em agosto, o carrinho de compras das famílias brasileiras das classes D e E, com renda média mensal de até R$ 846, tinha, até o ano passado, 22 itens em média, a maioria deles formada por artigos básicos, como açúcar, óleo e macarrão. Com a melhora no poder de compra desse conjunto de brasileiros, outras cinco novas categorias - dentre elas achocolatados em pó, leites longa vida, caldos de carne, iogurtes e sucos prontos - passaram a ser comprados com frequência por esse consumidor a partir do primeiro semestre de 2009. "O número de categorias continuará crescendo", diz Lazzarini.

Por isso, indústrias como a General Brands estão diversificando seu portfólio de produtos. Fundada no final dos anos 90, a empresa passou anos vendendo apenas refrescos em pó. Agora transformada em Grupo GB, a companhia vende sucos prontos, chocolates, sobremesas e no ano que vem estreia no varejo com queijos. "Nossa expectativa é faturar R$ 500 milhões em 2010", afirma Isael Pinto, presidente. A companhia, no ano passado vendeu R$ 170 milhões e se associou, em novembro, com a Vencedor Laticínios, que havia faturado cerca de R$ 200 milhões em 2008.

Mas além de comprar mais, o brasileiro também deverá comprar melhor em 2010. "O consumidor que consumia apenas biscoitos mais simples, vai passar a comprar os recheados e também os mais elaborados", prevê Paulo Cardamone, diretor de marketing da Pandurata Alimentos, dona da marca Bauducco.

Também haverá o que os especialistas chamam de segmentação: para continuar vendendo, a indústria lançará novos produtos ou novas versões (ou sabores, ou cores, ou aromas) dos já existes. "Essa tendência tem ganhado muita força", diz o diretor da Nielsen. Prova disso é que, de 2008 para 2009, a indústria colocou 18 mil novos itens no varejo. Ao mesmo tempo, saíram de linha outros 13 mil. A diferença - 5 mil - é enorme. "Considere que um supermercado médio tem de 10 mil a 12 mil itens. Isso quer dizer que quase a metade do que se vende em uma loja é produto novo", analisa o especialista.

A matéria é de Lilian Cunha, publicada no jornal Valor Econômico, adaptada e resumida pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade