Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Indústria de rações cresce menos que o previsto

postado em 08/01/2007

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A estimativa para a indústria de alimentação animal, composta por fabricantes de rações balanceadas, alimentos para animais de estimação (pet food), suplemento mineral e suprimentos, é de um encerramento de 2006 com crescimento de 2,5% na produção em relação ao ano anterior, para 48,4 milhões de toneladas. Do total, 55,8% são destinados à avicultura, 27,1% à suinocultura, 10,9% à bovinocultura, 3,5% ao pet food, 0,7% à eqüinocultura, 0,5% à aqüicultura e 1,5% a outros.

Segundo informações de Andréa Cordioli para o Jornal do Commercio, a previsão do presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações), Mario Sergio Cutait, era de uma alta de 10% na produção do setor neste ano. De acordo com ele, o desempenho foi prejudicado pelo surto de febre aftosa no Mato Grosso do Sul e Paraná e pelo surgimento da gripe aviária em alguns países da Europa e da Ásia. O faturamento, entretanto, registrou alta um pouco superior: de 5,5%, para US$ 9,5 bilhões.

Cutait disse que a rentabilidade da indústria de alimentação animal foi quase negativa. "Houve um aumento brutal da concorrência e a informalidade também atrapalhou. Isso afeta a segurança do alimento", disse.

Em 2006, as exportações do setor atingiram US$ 130 milhões (o que representa apenas 1,4% do faturamento total da indústria), com um crescimento de 7,88% em comparação com o ano anterior. O presidente do Sindirações espera que essa participação aumente este ano, uma vez que as projeções do setor indicam um aumento de preços do milho e da soja, que representam cerca de 80% dos custos da ração animal.

Em 2006, disse, o preço dos grãos "não subiu tanto": cerca de 10% em média. "Mas, para 2007, a perspectiva é ter grãos muito mais caros devido ao aumento da demanda desses insumos para geração de energia. Além disso, os estoques internacionais estão mais baixos", disse.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade