carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Indústria do Uruguai devolve parte da cota ovina e vende mais à China

postado em 18/10/2013

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Todos os frigoríficos uruguaios dedicados ao abate de ovinos devolveram esse ano parte dos volumes da cota de exportações de carne de 3.480 toneladas com destino à União Europeia (UE), distribuída pelo Instituto Nacional de Carnes (INAC). A devolução foi de 35% da cota total e, das cerca de 2.200 toneladas que serão exportadas nesse exercício, faltam exportar cerca de 600 toneladas, segundo fontes do INAC.

Assim como no caso da carne bovina, o Uruguai sempre buscou valorizar seus cortes. Seguindo essa premissa no caso da carne ovina, para a indústria hoje é mais negócio vender à China – um mercado em que se pode entrar com cortes com osso -, que colocar os mais caros, mas desossados, na UE.

Enquanto que aos países da UE são exportados lombos e pernas sem osso, para a China a carcaça vai divida em quatro ou seis cortes – mas com osso -, o que implica menores custos operacionais para os frigoríficos ao não ter que desossar e ao vender mais volume em cada negócio. “No ano passado, devolveu-se cota porque o mercado da UE estava morto, mas dessa vez, o Uruguai tinha o preço do ovino muito alto e não se faziam negócios nesse mercado”, explicou o vice-presidente do Frigorífico San Jacinto (Nirea S.A.), Gastón Scayola.

Agora, a China é mais conveniente, pelos preços e pela forte demanda. Assim como outras empresas, o Frigorífico San Jacinto ficou com parte da cota da UE para não perder clientes no velho continente, mas os abates estão complicados.

Quanto às empresas que ficaram com muita cota, as contínuas chuvas em setembro complicaram as cargas e a safra não chegou aos níveis de abate, nem à intensidade esperada. A ideia da indústria uruguaia era de abater bastante durante outubro, mas a safra parece que será mais em dezembro ou janeiro. “Não será um mal ano para o ovino, mas os abates serão mais para frente”.

As compras dos importadores chineses cresceram 242,5% em um ano, segundo dados estatísticos do INAC e, junto com o Brasil, onde a demanda aumentou em 48% no mesmo período em comparação com o ano anterior, são os principais mercados. Ao se vender os maiores volumes na China, o faturamento cresceu 379,2% e no Brasil subiu 32,2%.

A reportagem é do El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.
 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade