Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Intervet cresce 21% e se mostra otimista com 2011

postado em 17/01/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Impulsionada pela valorização do boi gordo e pelo aumento da demanda pelas carnes de frango e suína, a americana Intervet, do setor veterinário, fechou 2010 com um crescimento de 21,2% em seu faturamento no Brasil em comparação ao ano anterior. O grupo, controlado pela farmacêutica Merck, teve receita de R$ 448 milhões no ano que passou.

A taxa de crescimento da empresa é duas vezes superior à do mercado veterinário doméstico. Apesar de o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan) ainda não ter fechado os números finais de 2010, até novembro a sinalização era que o setor crescesse acima de 10% no ano. Caso se confirme esse resultado, o mercado veterinário no Brasil superará pela primeira vez a marca de R$ 3 bilhões. Em 2009, foram R$ 2,82 bilhões, segundo o Sindan.

O crescimento da Intervet no Brasil ocorre em meio ao processo de fusão com a ainda concorrente Merial. Em março do ano passado, a Merck e a francesa Sanofi-Aventis - controladora da Merial - anunciaram a criação de uma joint venture global entre seus braços de saúde animal. A nova empresa será a líder da indústria mundial do setor, com faturamento superior a US$ 5 bilhões, superando a Pfizer, que em janeiro do ano passado comprou a concorrente Wyeth e consequentemente incorporou a Fort Dodge, reforçando seu segmento de saúde animal.

"A cotação da arroba do boi superou todas nossas expectativas. E com o preço acima de R$ 100 existe uma corrida por parte dos produtores para investir mais em tecnologia, para conseguir uma produtividade cada vez maior", afirma Vilson Simon, diretor-presidente da Intervet no Brasil. "Em 2010 foi a pecuária que alavancou nosso resultado".

Alavancou em 2010 e deve alavancar novamente neste ano. Sem dar detalhes, Simon informa que no começo do segundo semestre deste ano, a empresa irá colocar em prática um projeto destinado a confinamentos, que envolve os segmentos veterinário e de genética.

O investimento previsto para o projeto vai ficar entre R$ 10 milhões e R$ 15 milhões e terá como objetivo elevar a produtividade da pecuária. "É preciso investir no desenvolvimento do setor. Acredito que seja mais barato promover o desenvolvimento do mercado do que ficar brigando com os concorrentes por uma fatia maior do market share", afirma Simon.

A aposta da Intervet na pecuária não é por acaso. Além de o segmento apresentar um maior potencial de crescimento em comparação com os mercados de aves e suínos - altamente tecnificados -, para a Intervet a pecuária representa 60% do seu negócio no Brasil. A avicultura tem uma fatia de 14% das vendas, ficando à frente dos animais de companhia (pet) e suínos, que detêm 12% e 10%, respectivamente.

Em abril de 2010, a empresa anunciou a parceria com a brasileira Genoa para comercializar os marcadores moleculares identificados e patenteados pelo grupo nacional para a raça nelore, que representa 80% do rebanho bovino nacional. "Estamos satisfeitos com os primeiros resultados da parceria, mas o projeto de marcadores ainda precisa de um processo de educação do próprio pecuarista", admite Simon.

O cenário positivo vivido pela indústria veterinária em 2010 deve continuar neste ano, na avaliação de Simon. O executivo projeta um crescimento de 10% para a indústria nacional, mantendo o ritmo do ano passado. Para a Intervet, a projeção de crescimento é de 14%, de acordo com o executivo. "Estamos muito animados e otimistas neste ano, independentemente do processo de fusão em que estamos envolvidos", diz o diretor-presidente da companhia.

Apesar de a nova empresa formada pela fusão entre Intervet e Merial, que passará a se chamar Merial-Intervet, já ter o nome do seu novo presidente escolhido - Raul E. Kohan -, a diretoria que se reportará a ele em nível global ainda não foi definida. A expectativa era que o grupo chamado de N -1 fosse anunciado em novembro do ano passado, mas até agora nenhum nome foi definido. A nova previsão é que a equipe de diretores esteja acertada até o fim deste mês para que o time N -2, onde se enquadrariam as diretorias gerais dos países onde as duas empresas atuam, passa a ser nomeado. Mesmo com o processo um pouco atrasado em relação ao cronograma inicial, a empresa mantém inalterada a data para o "Day One". Tudo indica que a nova companhia, que terá um faturamento global superior a US$ 5 bilhões, entrará em operação até o primeiro trimestre de 2011.

As informações são do Valor Econômico, resumidas e adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade