Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Jank: Doha pode estar próxima do seu desfecho

postado em 06/02/2007

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Depois de seis anos em estado de espera, as negociações agrícolas da Rodada de Doha podem ser fechadas ainda este ano. O diretor do Icone, Marcos Jank, é ainda mais específico e acredita que o desfecho se dará entre maio - após as eleições francesas - e o final do segundo semestre, quando a Farm Bill (lei agrícola americana) será votada pelo Congresso dos EUA.

O otimismo não foi compartilhado pelos membros do Conselho de Agronegócio (Consag) da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) e nem pelo ministro da Agricultura, Luís Carlos Guedes Pinto, que estiveram ontem reunidos para discutir a retomada das negociações. Para Guedes Pinto, a redução dos subsídios proposta pelos americanos está muito aquém da demanda do G-20 - grupo dos países em desenvolvimento liderado por Brasil e Índia - e vai barrar as negociações na rodada. Os EUA propuseram o teto de subsídios de US$ 17 bilhões anuais, enquanto o G-20 negocia para estabelecer o teto de US$ 12 bilhões.

Mas, para Jank uma brecha foi dada pelos EUA na nova proposta da Farm Bill. "É óbvio que eles não fariam as concessões agora, antes de reiniciar a rodada. As aberturas feitas representam, porém, a base para as negociações daqui em diante", afirma Jank. Entre elas, está a alteração do teto dos subsídios. Pela lei em vigor, os grandes produtores americanos podem receber cerca de US$ 1 milhão por ano, valor de subvenção que será de US$ 360 mil, caso a nova lei seja aprovada no congresso americano.

Outro ponto positivo destacado por Jank é que, pela lei atual, o limite para recebimento de subsídios é para produtores que têm receita líquida maior que US$ 2,5 bilhões, valor que cai para US$ 200 mil com a nova proposta. Para driblar os subsídios distorcivos, ainda presentes no projeto americano, o Brasil negociará em Doha por produto. "A proposta é reduzir os subsídios de modo que eles influam em, no máximo, 2% nos preços". A medida vale, principalmente, para o algodão, soja e arroz.

A notícia é de Fabiana Batista, para a Gazeta Mercantil.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade