Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Justiça suspende proibição ao uso de avermectinas

postado em 27/03/2015

7 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Alvo de conflito entre a indústria veterinária e os frigoríficos de carne bovina no ano passado, a Instrução Normativa nº 13/2014 do Ministério da Agricultura, que proibiu temporariamente o uso de avermectinas de longa ação ¬- vermífugos largamente usados na pecuária brasileira ¬, foi suspensa pela 17ª Vara Federal do Distrito Federal. Na prática, a Justiça acolheu os argumentos do Sindam, sindicato patronal que representa a indústria veterinária, liberando as vendas e a produção do vermífugo.

Conforme o juiz Victor Cretella Silva, a decisão de proibir o medicamento foi "abrupta" e "potencialmente contraditória" com a postura anterior do próprio Ministério da Agricultura, que menos de um mês antes recomendava apenas que os medicamentos fossem vendidos sob controle especial. "É de se questionar se não seria mais coerente a sua manutenção sob regime de controle especial", disse. Quando a proibição foi criada, o Ministério da Agricultura alegou riscos à exportação de carne bovina, por conta das diversas detecções de resíduos em carne enlatada exportada para os EUA.

Para o presidente da Associação Brasileira dos Exportadores de Carnes (Abiec), Antônio Camardelli, a decisão deve ser "acatada". Indagado sobre o risco de novas detecções de resíduos, ele enfatizou que o clima de entendimentos entre indústria veterinária e frigoríficos contribui para "mitigar os riscos", como demonstra a parceria em torno da campanha de combate ao contrabando de avermectina. No setor veterinário, a decisão foi comemorada. A MSD, braço veterinário da Merck, já iniciou as vendas dos estoques que possui e pretende acelerar a produção, disse Thiago Arantes, diretor de pecuária da empresa. O executivo quer aproveitar a proximidade da campanha de vacinação contra aftosa, em maio. Os pecuaristas costumam utilizar a avermectina no período da vacinação.

As informações são do Valor Econômico

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

abrahão gomes de holanda

Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Médico Veterinário
postado em 30/03/2015

Com relação as ivermectina concentrada tenho o seguinte comentário: As ivermectina a 1 %
está prescrito na bula a dosagem 1 ml para 50 kg/PV. Da mesma forma a ivermectina
concentrada a recomendação é tambem 1  ml/50 kgs /PV . Há uma incoerência na dosagem. Não seria correto a recomendação de 1 ml/150 kgs de /PV ?
Serar  se não estar-se exagerando na dosagem?
O  Ministerio (Anvisa) Fez esta observação?
Sem mais para o momento

Flavio Schirmann

Formigueiro - Rio Grande do Sul - Ovinos/Caprinos
postado em 30/03/2015

A questão é: Será que podemos usar 3ml da ivermectina 1% pra cada 50 kg/PV? Porque na dosagem recomendada já não funciona mais....Obs: DEVEMOS OBSERVAR O PERÍODO DE CARÊNCIA RECOMENDADO!

abrahão gomes de holanda

Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Médico Veterinário
postado em 31/03/2015

Caro colega, a dosagem de qualquer fármaco é determinada por calculo farmacol´gico
cientificamente estudado.Acho que não dvemos  alterar as recomendações terpeutica basica, As dosagem de penicilinas por ex foram determinadas  em UI pelos estudiosos da materia.REcomenda-se de 11000 a 22000 UI/kgs de PV a depender da gravidade da infecção.Cabe ao laboratorio fazer as alterações necessarias.Os 3 ml /50 kgs  é um aumento de 300 % .Muito acima do recomendado é comprometedor.Eu sempre recomendo
20 % a mais para amaioria dos farmacos
O laboratorio deve rever estas alterações.  Muito Obrigado.

)

Jose Gervasio Mamede

OUTRA - OUTRO - Consultoria/extensão rural
postado em 31/03/2015

Otima notícia, mas o problema continua, o uso descontrolado por pessoas sem conhecimento faz das avamectinas uma bomba relogio para.  A carne e principalmente o leite
Fauta controle e educação.

Silvia Ribeiro

Umuarama - Paraná - Revenda de produtos agropecuários
postado em 06/04/2015

Infelizmente falta conhecimento aos produtores sobre o uso de tais produtos, o mercado ainda preconiza a venda, sem nenhum critério para implantação. O dever do ministério que deveria pensar no consumo, talvez tenha sido deixado de lado, uma pena.

abrahão gomes de holanda

Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Médico Veterinário
postado em 07/04/2015

Existe uma gama imensa de medicamento que são comercializados nas lojas agropecuárias sem nenhum critério.Ex : Antibióticas ,hormônios e vermifogos.
A ciprofloxacino  é um antibiótico de ultima geração .Já estar nas famacias  das fazendas
o medicamento milagroso pois uma unica dose cura a infecção.. Indu-se então a resistência
bacteriana que chega na nossa mesa atravês do leite ou da carne.carne. Qualquer cidadão que
baixar  hospital leva no seu organismo alguma bactéria com resistência já adquerida
´la no animal medicado inadequadamente.
Com relação aos hormônios cito aqui o estradiol que é utilizado na IATF. Este produto
é proibido no USA e Europa.Sabe-se que as Mulheres são as maiores vitimas dessa
práticas  sem critério algum aqui no Brasil. Sábia mente os grandes Frigoríficos não
espotam fêmeas e as mulheres brasileiras é quem pagam o pato.
è apenas a ponta do iceberg


Glória Bier

OUTRA - OUTRO - Ovinos/Caprinos
postado em 09/04/2015

Gostaria de saber muito mais sobre caprinos e tenho o interesse de saber quem poderia dar assistência sobre agroindústria que queira desenvolver trabalhos com cabras l!    Quem  pode dar assistência !Podemos contar com Embrapa ou Emater?lRo,já conta com muitos interessados em trabalhar com caprinos!

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade