Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Kátia Abreu exige ações para conter invasões do MST

postado em 07/10/2009

20 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu, criticou duramente nesta terça-feira, 06, a invasão da fazenda Santo Henrique, em São Paulo, promovida por integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). Imagens da invasão foram exibidas na noite desta segunda-feira, levando a todo o Brasil a denúncia sobre a invasão. "Foi uma atitude criminosa, realizada sob a alegação de que seriam terras públicas. Mas nada justifica o esbulho possessório. Esse movimento age como se não existisse lei, ordem. Eles não têm medo de nada.", alertou Kátia Abreu.

Indignada, a presidente da CNA lembrou que as agressões do MST são recorrentes, destacando ações recentes dos sem-terra no Pará e em Pernambuco. "Eles são contra o livre mercado, as terras privadas, o lucro. São contra a democracia", denunciou Kátia Abreu. O senador Romeu Tuma (PTB/SP) chegou a classificar a invasão como um "ato de terrorismo". A senadora destacou também que essas invasões representam uma ataque à toda atividade agropecuária, setor responsável pela geração de superavits na balança comercial brasileira.

Kátia Abreu alertou que não é contrária ao programa de reforma agrária, mas lembrou que há quantidade suficiente de terras já disponíveis para instalar novos assentamentos sem que seja necessária uma só desapropriação. A senadora destacou que em 2003 havia um estoque de 133 mil hectares de terras disponíveis e que no atual governo 41 mil hectares foram utilizados na instalação de novos assentamentos.

"Ainda temos estoque de 91 milhões de hectares de terras já desapropriadas, consideradas improdutivas, disponíveis para a reforma agrária.", alertou a presidente da CNA. Kátia Abreu advertiu a quantidade de terras disponível é outro motivo que torna injustificável a invasão de propriedades privadas por integrantes do MST sob a alegação de que as ocupações são necessárias para atender a reforma agrária. "Não é tomando terras de seus donos, cometendo crimes, que se realiza a reforma agrária", criticou a senadora.

A senadora defendeu a investigação dos repasses de recursos públicos a entidades vinculadas ao MST, conforme denúncias publicadas pela revista Veja na edição de dois de setembro, e liderou a apresentação de requerimento solicitando a instalação de Comissão Parlamentar Mista de Inquérito para apurar irregularidades nos convênios assinados entre o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrafia (Incra), a Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais (FEPAF) e o Instituto de Orientação Comunitária e Assistência Rural (INOCAR).

Na tribuna, a presidente da CNA denunciou manobra para desestruturar a CPMI, com retiradas de parte das assinaturas necessárias para a instalação da Comissão. "Depois do jogo pesado do governo federal, 45 assinaturas foram retiradas, na Câmara", criticou a senadora, alertando que vai trabalhar para que seja possível recompor a CPMI.

"Quem poderá ajudar os produtores rurais a se proteger das invasões do MST?", questionou. Kátia Abreu acusou de criminosas as ações do MST, que geram um clima de insegurança no campo. Destacou que a atividade rural é responsável não apenas pelo superavit da balança comercial, mas também responde por um terço do Produto Interno Bruto (PIB) e por um terço dos empregos do Brasil.

O pronunciamento da senadora Kátia Abreu provocou uma série de manifestações de repúdio à invasão da Fazenda Santo Henrique, da Cutrale, pelo MST:

• "Foi dantesca a imagem apresentada nos telejornais, com os tratores derrubando as árvores" - senador Romeu Tuma (PTB/SP)

• "O MST não tem interesse em fazer qualquer tipo de reforma agrária. Quer promover um momento louco, um sonho desvairado. Quer promover uma revolução no estilo zapatista a partir do campo brasileiro." - senador Arthur Virgílio (PSDB/AM)

• "É um movimento desordenado, anarquista. O MST é uma entidade clandestina, que não pode sequer ser processada ou responder criminalmente por suas ações." - senador José Agripinio (DEM/RN)

• "As cenas mostradas são estarrecedoras. E não é a primeira vez. São repetidas vezes." - senador Flexa Ribeiro (PSDB/PA)

• "Quase não acreditei no que eu estava vendo. Não é possível que no Brasil de hoje esteja acontecendo coisas como essa. Se fez uma verdadeira mutilação sobre o plantio de laranjas provavelmente mais produtivo do mundo."- senador Tasso Jereissati (PSDB/CE)

• "Precisamos saber quem está financiando esta anarquia" - senador Valter Pereira (PMDB/MS)

As informações são da CNA, resumidas e adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Ronaldo Trecenti

Brasília - Distrito Federal - Consultoria/extensão rural
postado em 07/10/2009

Parece que estamos vivendo numa terra de ninguem, sem dono, sem comando, sem lei, sem respeito, sem identidade, sem ética, tendo que assistir atônitos, abusos, escândalos, trapaças, corrupção, tudo sem punição. Isto é democracia? Parece um regime de amigos, para os amigos e para a minoria. Muito me preocupa o silêncio dos justos.

Paulo Luís Gonçalves Campelo

Belo Horizonte - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 07/10/2009

Senhores, o momento é de muita reflexão.. O que está acontecendo no Brasil é muito mais grave do que parece ser, essas pessoas nada mais são do que um bando de baderneiros, bandidos e irresponsáveis que nunca foram Trabalhadores Rurais, não têm a menor noção do que é retirar o sustento da família trabalhando na roça, fazem essa pressão toda apenas para receberem terras para serem vendidas, querem ganhar dinheiro fácil sem suar a camisa. Respeito os Trabalhadores Rurais que lutam, que trabalham duro e que são os responsáveis por colocar a comida na mesa dos Brasileiros e de muitos outros pelo mundo afora. Esses sim, merecem ser reconhecidos e merecem ser contemplados por um quinhão de terra, além de receberem crédito e assistência técnica necessários para viverem dignamente do seu trabalho. Já os militantes desse Movimento Clandestino, estão muito longe de merecerem ser chamados de TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA, pois de trabalhadores eles não têm nada, repito, são bandidos, e por isso mesmo é que recebem tanto apoio desse Governo.

gabriel de baccho jorge

Presidente Prudente - São Paulo - Produção de gado de corte
postado em 07/10/2009

Nós produtores de alimento desse pais,estamos perdidos, enguanto que nos paises do restante do mundo o produtor rural é protegido pelo seus governantes e população, aqui no brasil, o que vemos é uma inversão de valores, onde o prudutor rural é tratado como bandido, desmatador de floresta, latifundiario,etc, e o MST, é dito de "trabalhador rural sem terra", tenho orgulho de ser produtor rural, mas vergonha de ser produtor no Brasil. É inadimissivel que ninguem ou nenhuma autoridade desse pais tome uma atitude dessente contra esses bandidos terroristas do MST,senhor presidente, senhores ministros por favor tomem atitudes exemplares. presidente lula, de onde vem o dinheiro p/ sustentar esses terroristas.Ningue tem o direito de fazer o que esses vagabundos fizeram, isso é caso de exercito, pelo amor de DEUS, pois amor pelos produtores não se tem, façam algo.

Paulo Luís Gonçalves Campelo

Belo Horizonte - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 07/10/2009

A Senadora Kátia Abreu tem uma Biografia que não deixa dúvidas de que ela seria a melhor candidata a Presidente da República, torço muito para que isso aconteça em 2014, quando finda o seu mandato de Senadora.

Eduardo Graciano Pereira

Conceicao do Rio Verde - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 07/10/2009

Parabens Katia Abreu, ainda bem que temos uma voz no congresso. Cadê o governo que nem se pronuncia. Como pode um movimento estar acima da lei. So no Brasil do Lula.

Marcos Salazar de Paula

Lima Duarte - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 07/10/2009

É este governo quem financia estes criminosos com dinheiro público, dos nossos impostos.
Deputado ou Senador que não apoiar a CPI mista proposta pela Kátia Abreu tem que ter o nome incluído em lista a ser amplamente divulgada, principalmente nas mídias que atingem o meio rural. Temos que saber em quem não podemos votar!

A Senadora Kátia Abreu tem que ser apoiada independentemente de partido ou governo! Ano eleitoral não é desculpa para não haver CPI. Se o governo não quer repercussão negativa, tem de parar de financiar estes criminosos, agir dentro da lei, respeitar os produtores rurais. O ano eleitoral é até uma ótima oportunidade para nós conseguirmos resultados de uma CPI.

Parabéns à Senadora!

Com apoio, ela poderá nos ajudar nesta e em outras questões. Vocês já pensaram, se uma voz como a dela, com todas as prerrogativas de Senadora, com apoio dos sindicatos rurais e demais entidades de classe, sugerir algum tipo de greve de produtores?

wilson tarciso giembinsky

Paracatu - Minas Gerais - Produção de gado de corte
postado em 07/10/2009

Quem ama a terra não destroi, quem sabe quanto custa não estraga, quem quer produzir não queima tratores....
Não são sem terra, são criminosos, terroristas, se queriam plantar feijão, como justificou uma entrevistada, havia espaço suficiente entre os pés de laranja.... isto mostra que nem de plantar feijão ela entende.....
Já passou da hora da justiça e do governo tomarem providências cotra estes criminosos.
Governo manobrando para não instalar CPI do MST!?
Isto é mais que conivência, é apôio!

Fabiano Pagliarini Santos

Cascavel - Paraná - Produção de gado de corte
postado em 07/10/2009

A ação do MST, além de criminosa é um tapa na face da sociedade brasileira moderna, produtiva e que gera divisas para o Brasil. O pior que ainda conta com aval de personalidades de peso como presidente Lula que acha que os índices de produtividade são baixos e criou uma portaria por pressão ou simpatia a esse grupo criminoso.
Agora eu questiono, quem irá pagar os prejuízos daquela propriedade, pois aquilo foi um crime e com provas, mas indignição apenas não paga a conta, será que o INCRA, Ministério da Reforma Agrária, que são os orgãos públicos que apoiam e até incentivam esse grupo não deveriam arcar com o ônus do laranjal.
E imaginemos a seguinte situação se os proprietários da fazenda evitassem o ataque ao seu patrimônio, repreendendo até com força provavelmente seriam intimados pela justiça para responder pelo seus atos. Porque não fazer o mesmo com o MST? Ah por que o MST não tem CNPJ, mas seus líderes tem CPF. O PCC também não tem CNPJ e nem por isso seus líderes deixam de ser processados por formação de quadrilha, pois é isso que se tornou o MST.
Deixo aqui o meu protesto e penso que devamos começar a nos mobilizar para o final do MST, já que quem produz não pode se defender, pode fazer pressão política, abaixo assinado e mobilizações.
Uma boa noite a quem trabalha e produz, para o crescimento desse país que ainda pode ser uma grande potência produtora de alimento.

DARLANI PORCARO

Muriaé - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 07/10/2009

São pessoas completamente desajustadas, não sabem o valor, a dificuldade, o custo para se plantar 7 mil pés de laranjas. É uma vergonha que gente desse tipo ainda recebe ajuda do governo nacional e de outras entidades estrangeiras prá fazer tanta merda no setor rural e não acontece punição alguma a esses individuos.

Joseph Crescenzi

Itaipé - Minas Gerais - Produção de café
postado em 08/10/2009

Kátia Abreu está tomando iniciativas importantes. Temos que unir mesmo atraves das nossas entidades da classe produtora e dar respaldo á estes trabalhos.

Presidente Kátia Abreu? Vamos lá Ruralistas!

Márcio Martins Ferreira

Barretos - São Paulo - Produção de ovinos
postado em 08/10/2009

Terra de Ninguém Mesmo!!!!

Isto não é só uma agressão aos produtores, mas um ato terrorista à Nação Brasileira, em que país estamos vivendo?? voltamos à épocas das revoluções, a diferença é que esta não tem uma ideologia, as invasões são puro interesse politico, ou seja em quem que os sem terra (terroristas) votam, se isto não bastasse o aloprado do Ministro Minc e sua equipe do Ministério do Meio Ambiente baseados na mais alto conhecimento (midiocre) tecnologico sobre etanol classificou os carros a alcool como mais poluidores que os carros a gasolina. Está faltando pulso para o Presidente Lula, ou ele está pensando nos votos deste grupo terrorista chamado sem terra.

Precisamos de bom senso, é necessário ação dos homens de bons costumes para a contrução de um País justo e perfeito.

Alvaro Cardoso Fernandes de Pádua

Presidente Prudente - São Paulo - Consultoria/extensão rural
postado em 08/10/2009

Prezados Sr Leitores,

Realmente é incrivel que em um estado democrático em que vivemos possamos ainda assistir ações tal qual a do MST, de certa forma semelhante também àquelas que presenciamos no Congresso, no Senado e Brasil afora, onde a corrupção é livre, solta e escancarada para todos assistirem. Não dá para acreditar. Se é para permitir que ações deste tipo continuem à revelia, sem que as autoridades ajam de acordo com a lei, então temos que mudar nossa constituição, ou acabar com ela de vez. É muita hipocrisia.

Realmente a preocupação do Sr. Ronaldo Trecenti é válida, haja vista que à exceção de uma pouca minoria, há um silêncio por parte daqueles que se sentem ameaçados. Parece até que a sociedade em geral tem culpa no cartório, tendo em mente o ditado: "Quem cala consente".

Se analisarmos coerentemte, vivemos em um país de faz-de-conta, temos uma constituição apenas de enfeite, e uma pseudodemocracia, onde aparentemente tudo é feito democraticamente, mas nos bastidores os comandantes regem a seus bel prazer.

Caso este país não acordar, coisa que eu não acredito que vai acontecer tão cedo, vamos ainda presenciar um cenário ainda pior. O Brasil pelo visto vai experimentar o gosto de auferir muito dinheiro, e expandir suas fronteiras em termos de faturamento, no entanto como a cultura dos governantes é a pior que existe, vai ser uma "guerra" daquelas para ocupar os poderes, e os mais prejudicados nessa guerra, certamente seremos nós, contribuintes e trabalhadores.

Temos que acordar se não quisermos ficar entre as ações do MST e as ações dos nossos representantes que, como já falado, assemelha-se à primeira.

Uma ação contra este desmando? É nós saimos da nossa comodidade, organizarmos como pessoas civilizadas, para quem sabe um hora termos um cidadão forjado (incorruptível) que possa nos representar dignamente à altura de um trabalhador que contribui dignamente com seus impostos.

Atenciosamente,

José Coutinho Neto

Macaé - Rio de Janeiro - Produção de leite
postado em 08/10/2009

Meu Irmão Márcio Martins é necessário que os Homens livres e de bons costumes não silenciem-se e falem alto e claro que este País deve ser construido com Ordem e Progresso sob a égide da lei, só assim nos tornaremos um pais justo e perfeito.

Se a política é podre, vamos sair da nossa zona de conforto e fazer a faxina necessária nesta pocilga e transformá-la em algo descente e ético com objetivo único de atender os anseios mais nobres da nossa sociedade ordeira, produtiva e fraterna.

Quanto ao MST não ter uma ideologia, discordo do Irmão neste ponto. O MST é ideologia pura, praticando claramente todas as etapas da guerra revolucionária idealizada e desenvolvida nos porões do mais torpe comunismo onde a vida humana e os sonhos da família e da pátria não tem nenhum valor.

TFA:.

Paulo Luís Gonçalves Campelo

Belo Horizonte - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 09/10/2009

Amigos, quem não se lembra dos tratoraços em Brasília? sinto saudades daquela época em que o Produtor Rural fazia barulho para ser visto e ter seus interesses atendidos, e naquela época o Agronegócio Brasileiro ainda não tinha o nível que alcançou hoje. Precisamos apoiar a Senadora nessa sua empreitada de nos representar nessa briga. Em 2014, Kátia Abreu para Presidente.

Abraços.

Paulo Luís Gonçalves Campelo

Belo Horizonte - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 09/10/2009

O Ministro Guilherme Cassel está morrendo de medo de que essa CPI do MST seja levada adiante, aí eu me pergunto, já que ele afirma que não há nada de irregular na relação entre o seu Ministéio e o MST, porque o medo? Vamos apoiar essa CPI, vamos acompanhar cada passo dessa investigação, isso precisa ser tirado e limpo, precisamos minar as fontes de recursos desses vândalos.

Romy Farage Batista

Coronel Fabriciano - Minas Gerais - Indústria de laticínios
postado em 10/10/2009

A destruição dos laranjais no interior de São Paulo, pelo mst (minúsculo mesmo), é a cara deste governo (também minúsculo) cuja chefia está acampada em Brasília. Lamentável.

Johnny Roberty Bibe de Souza Oliveira

Taubaté - São Paulo - Produção de leite
postado em 11/10/2009

Caros Leitores,

Infelizmente mais um fato triste como essa invasão se repete em nosso País. Um bando de vagabundos e desordeiros invadem e destrõem uma propriedade particular com a justificativa de pressionar o governo por mais terra para a "reforma agrária". Um verdadeiro absurdo que não pode ficar impune! Nós, produtores rurais, já enfrentamos dificuldades demais para estarmos sujeitos a esse "movimentinho" que provoca insegurança e desordem no campo já faz tempo.

A chamada CPT (Comissão Pastoral da Terra) deveria parar de ficar fazendo demagogia e enxergar os fatos como realmente são, pois defender o MST mesmo depois do que aconteceu em Borebi - SP é realmente uma insanidade, passando todos os limetes do idealismo pragmático.

Precisamos de um governo mais atuante, que valorize a produção agropecuária e seus respectivos produtores, que esqueça de fazer afagos nesses marginais só pelos votos e sim aplique uma punição que realmente intimide essa cambada de criminosos. Somente assim poderemos ter a tranquilidade necessária para planejar a propriedade e alavancar ainda mais a produção de alimentos para o Brasil e consequentemente para o mundo.

Atenciosamente,

Flávio Valeriano Teixeira

Leopoldina - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 13/10/2009

Creio que todos que trabalham no crescimento e desenvolvimento de qualquer setor agropecuário deste país devem estar indignados com a situação em que os produtores rurais vivem hoje. As dificuldades para produzir são imensas: falta de assistência técnica, entraves burocráticos, problemas com relação ao armazenamento e a comercialização de produtos, clima e tantos outros... E para piorar ainda somos obrigados a ver e a aceitar passivamente esse bando de guerrilheiros apoiados pelo governo a promover essa anarquia no setor da economia que sustenta este país?

É preciso dar um basta nisso! É preciso instalar sim a CPI do MST, porque não é possivel que um bando de vagabundos possa ter tanto apoio financeiro e humano de setores e instituições do governo como acontece com o MST. Que negócio é esse de dizer que os líderes do MST não podem se quer ser processados por que o MST não é registrado? Querem o que, que bandidos e guerrilheiros como esses do MST passem a ter carteirinha oficial de bandifagem? E esse ministro Guilherme Cassel está querendo o que com essa idéia de barrar a CPI do MST? Está com medo de que? E essas ONG´s que apoiam esse clube de bandidos? Até quando vão continuar agindo impunemente?

À Senadora Kátia Abreu declaro meu apoio pelo trabalho que vem desenvolvendo na defesa do setor agropecuário. Tenho certeza que o trabalho é árduo, mas por uma causa justa! Não é através de invasões, violência e guerrilha que conseguiremos uma ter uma sociedade mais justa. É preciso mais igualdade social sim, mas não é de direito que essa igualdade seja conseguida nos moldes de atuação de bandidismo usado pelo MST. Não e desta forma que teremos uma sociedade mais justa!

Joseph Crescenzi

Itaipé - Minas Gerais - Produção de café
postado em 13/10/2009

Lembrem que é do seu bolso, de onde sai esse dinheiro utilizado para dar sustento ao MST,

Adimar Leonel Souto

São Francisco de Sales - Minas Gerais - Produção de gado de corte
postado em 14/10/2009

Parabens Senadora katia Abreu e aos seus pares que primam pela lei e pela ordem neste Pais. Porque o que estamos vendo não se trata de reivindicação de direitos e sim desrespeito ao produtor rural, a ordem e a lei. Acreditamos Senadora que voce ira conseguir fazer valer a verdade, pois não é possível que neste país a maioria dos nossos representantes estejam voltados apenas para apoiar o que lhes é conveniente, desprezando o senso de justiça, a ordem e o direito de propriedade adquirido legalmente.

Obrigado por ser a nossa voz, pessoas como voce dignifica a nação e nos indica uma luz que esperamos ainda não se encontrar definitivamente no fim do túnel.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade