Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Leitor comenta o comportamento de ovelhas na parição

postado em 22/09/2008

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O leitor do FarmPoint Steffan Edward Octávio Oliveira de Mossoró, RN, enviou uma carta ao FarmPoint complementando o artigo publicado na seção Radar Técnico Reprodução "Comportamento na parição em ovelhas - Parte 1". O leitor fala sobre a tipica exibição comportamental das ovelhas nesse período. Confira:

"O interessante nesta típica exibição comportamental, é a forma como este padrão se perpetuou. Em condição selvagem, estes animais tendem a reduzir ao máximo o tempo de parição, já que neste momento estão suscetíveis a alguma pressão de predação. Assim, quando dá-se a parição, a matriz tende a promover estímulos que fazem com que o neonato responda mais rápido ao meio e fique menos tempo vulnerável.

Ao se afastar do grupo (no momento da parição) a fêmea perde a vantagem do incremento da vigília oferecido pelo grupo, assim, em animais selvagens, fica evidente o porque destes se isolarem em abrigos, ficando menos visíveis.

O fato da fêmea consumir o líquido amniótico se deve ao odor típico exalado dele poder atrair predadores em meio selvagem, e por transmissão cultural, o indivíduo doméstico consegue ainda preservar tal comportamento, que instintivamente lhe assegura para que prospere e maximize sua sobrevivência. Além deste líquido poder ter alguma característica nutricional, dando-lhe algum retorno após o desgaste do parto.

Muito boa a abordagem sobre o efeito da tosquia no investimento parental. Durante o parto, o déficit energético devido ao esforço é grande, assim a reserva energética que poderia ser utilizada na termorregulação acaba ficando mais limitada. Logo, acredito que com a tosquia o animal procure se abrigar para no momento do parto evitar a ação do frio. Onde, tendo-se uma camada protetora antes da tosquia, a termorregulação seria mais eficiente e a fêmea não necessitasse de ir à procura de abrigo. Acha que isso seria uma hipótese?

Muito bom saber que existem pessoas desenvolvendo trabalhos nesta área."


Mariana Paganoti - Equipe FarmPoint

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade