carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Levantamento inédito CNA/Cepea mostra lenta recuperação na criação de ovinos e caprinos no Brasil

postado em 05/09/2014

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A criação de ovinos e caprinos vem se recuperando lentamente no Brasil, após a crise nos preços da lã ocorrida no mercado internacional nos anos 1990, que desestimulou os criadores de ovinos. Os dados mais recentes, de 2012, indicam que o rebanho de ovinos atingiu 16,7 milhões de cabeças, 11% menor em comparação com os números de 1991, quando houve recorde na criação de ovinos, totalizando 20 milhões de cabeças. As informações estão no boletim “Ativos de Ovinos e Caprinos”, o primeiro do segmento, elaborado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Universidade de São Paulo (USP).

Depois da crise dos anos 1990 e a partir de 2003, segundo o estudo Cepea/CNA, ocorreu uma lenta recuperação do rebanho de ovinos, especialmente em consequência do aumento do consumo interno desse tipo de carne. Em relação aos caprinos, o rebanho total era de 8,6 milhões de cabeças em 2012, segundo o mais recente levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Ao mesmo tempo, a atividade cresceu expressivamente em outras regiões, como no Centro-Oeste e Sudeste, voltada principalmente para a produção de carne.

A região Nordeste é, historicamente, uma das mais tradicionais na criação de ovinos e caprinos no país. Os indicadores revelam que a participação dos estados nordestinos na criação de ovinos e caprinos cresceu de forma substancial a partir de meados dos anos 1990. O Nordeste detinha, em 2012, 56% do rebanho de ovinos.

O aumento do poder aquisitivo da população brasileira permitiu a ampliação do consumo de proteína animal, avalia o estudo. No caso da carne ovina, a demanda vem crescendo especialmente nos grandes centros urbanos da região Sudeste, com o produto ganhando espaço em restaurantes e churrascarias.

Esse aumento da demanda, de acordo com a CNA e o Cepea, provocou aumento das importações de carne ovina. Em 2013, por exemplo, nove mil toneladas foram compradas do Uruguai. A carne de caprinos, contudo, ainda é pouco consumida no país, com exceção dos estados do Nordeste.

Acesse o boletim completo clicando aqui.

As informações são da CNA, adaptadas pela Equipe FarmPoint.

 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade