Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Luciano Leme comenta sobre importação de carne ovina

postado em 04/01/2011

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O presidente do Núcleo de Criadores de Caprinos e Ovinos das Regiões dos Campos das Vertentes e Zona da Mata (NUCCORTE), Luciano Piovesan Leme, de Barbacena/MG, enviou um comentário ao artigo "Brasil: maior importação de carne ovina em novembro". Abaixo leia a carta na íntegra.

"Este artigo demonstra claramente o quanto ainda temos que nos organizar enquanto cadeia para suprir a demanda de carne ovina no Brasil. É inadmissível que um país com o potencial como o nosso e competência produtiva de nossos pecuaristas, importe carne ovina.

Não podemos apenas nos organizar como região, como ocorre com os núcleos e associações, mas é preciso ter um Programa Nacional de Fomento à Produção Ovina, com metas e objetivos claros e responsabilidades definidas de cada setor da cadeia, sejam privados ou públicos.

Somente com organização, metas e objetivos conseguiremos nos firmar como produtores de carne ovina, não somente para suprir o mercado interno, aumentar o consumo hoje na casa de 0,4 kg/hab/ano e aumentar o rebanho nacional para inclusive sermos exportadores de carne ovina e peles.

Vamos nos mobilizar e talvez a FEINCO 2011 seja um bom "palco" para podermos debater um Programa Nacional de Fomento à Produção Ovina. Com a palavra a Câmara Setorial de Caprinos e Ovinos / MAPA e a ARCO.

Saudações ruralistas".

Qual sua opinião sobre este assunto? Participe deixando o seu comentário!

Clique aqui para ler mais opiniões sobre este assunto.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

Ricardo Inciarte

Montevideo - Montevideo - Uruguai - Revenda de produtos agropecuários
postado em 10/01/2011

Estimado Sr Leme : he leído atentamente su carta. Como uruguayo que soy, estoy informado que mi país es hoy el principal abastecedor de corderos pesados en el Brasil, yá que tenemos una muy buena calidad en nuestros corderos, pero lo más importante, somos muy competitivos.

Para lograr eso, hoy en Uruguay hay productores que riegan sus pasturas, para obtener mayor producción (kilos de cordero) por hectárea. En pasturas regadas la carga de corderos es de 50 corderos por hectárea con ganancias de peso de 0,140 kilos por cordero y por día. O sea que por há y por día se ganan 7 kilos. En un mes gana 210 kilos.

Actualmente represento a una empresa de Nueva Zelandia llamada K-Line, que fabrica equipos de riego de pasturas por aspersión. Dichos equipos son económicos y muy fáciles de manejar, sobretodo por productores medianos y pequeños. En NZ actualmente hay más de 100.000 hás con riego K-Line

Le sugiero entre en nuestra página web, para obtener mayor información : www.klineriego.com

Si está interesado en éstos equipos de riego le sugiero que me escriba a : riv@adinet.com.uy
Estos equipos son especialmente indicados para productores lecheros y de carne, ya sea esta bovina u ovina.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade