Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Mão de obra especializada para a ovinocaprinocultura

postado em 10/05/2012

9 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Ontem (09) o FarmPoint publicou uma notícia internacional dizendo que no Uruguai, o Plano Estratégico Nacional para o Setor Ovino, com o apoio da Faculdade de Agronomia, Veterinária, Universidade do Trabalho, Faculdade de Ciências Agrárias, Instituto Nacional de Carnes, Instituto Plan Agropecuário e Inefop, lançou as "Ovimpíadas 2012."

A ideia é estimular o interesse da juventude no meio rural e estimular a capacitação de mão de obra vinculada ao setor ovino. Poderão participar jovens entre 18 e 25 anos, pertencentes a centros educacionais, instituições rurais e cooperativas agrárias. Através de uma série de provas, deverão demonstrar destrezas em tarefas habituais que são feitas nas fazendas.

O FarmPoint pergunta: você tem dificuldades para encontrar mão de obra especializada para trabalhar com ovinos e/ou caprinos na sua propriedade? O que você acha que pode ser feito para estimular as pessoas a ficarem no campo?

Participe deixando o seu comentário no box abaixo!

O FarmPoint agradece a sua participação desde já!

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

João José de Santana

Barreiras - Bahia - Produção de ovinos
postado em 11/05/2012

Tenho grande dificuldade, já reduzi o rebanho de 800 cabeças para 200. Falta projetos governamentais para capacitação da mão-de-obra rural e sobra fiscalizações (trabalhista, ambiental, sanitária, etc). A bolsa familia que considero o maior projeto social do mundo, foi todo distorcido pelos políticos, não condicionando o seu benefício a obrigatoriedade de capacitação e não limitando ou excluindo aqueles que não querem se capacitar.

Carmen Ceres

Viçosa - Minas Gerais - Produção de caprinos de leite
postado em 13/05/2012

Sou Zootecnista e trabalho com caprinos leiteiros no Rio Grande do Norte e temos dificuldades quando precisamos encontrar alguém que saiba, no mínimo, ordenhar. Os principais entraves que vejo com relação à mão-de-obra é a falta de treinamento para os trabalhadores e a longa jornada de trabalho acoplada à baixa remuneração, que desestimula os trabalhadores rurais a ficarem no campo, obrigando-os a procurarem empregos nas cidades com melhor remuneração e jornada de trabalho fixa.
Poderiam ser fornecidos cursos capacitantes gratuitos para esses trabalhadores, composto em sua maioria de atividades práticas cotidianas realizadas no sistema de produção de ovinos/caprinos.
Aqui no Nordeste ainda tem um agravante que é o grau de escolaridade dos trabalhadores rurais, que mal completam o ensino fundamental. Isso prejudica as anotações de dados zootécnicos, que fazem toda a diferença num sistema de produção animal.
Investir no treinamento dos trabalhadores é de suma importância para toda a cadeia da agropecuária. Trabalhador treinado é trabalhador valorizado. Trabalhador valozirado é bem pago e não quer sair do emprego.

Jaime de Oliveira Filho

Itapetininga - São Paulo - Consultoria/extensão rural
postado em 13/05/2012

Isso é de nível mundial, a mão de obra, precisamos já nos concientizar , que o mesmo que aconteceu e acontece nos países mais desenvolvidos é que todo trabalho na zona rural é feito  pelos próprios donos, porque a mão de obra lá é muito cara.
Aqui j´a está um reflexo desta situação e precisamos   arrumar ferramentas e organização nas propriedades rurais(lógico que apoio governamental, vai ser muito importante).
Na Nova Zelândia um funcionário toma conta de até 8000 ovelhas, usando cachorros treinados e uma propriedade organizada, com divisões de piquetes tudo programado para o ano todo, lógico que seu salário fica perto de $5000,00 dólares neolandes.

Edimo Aires Peres Bordin

Paranavaí - Paraná - Produção de ovinos de corte
postado em 13/05/2012

A dificuldade é geral, pois não temos tecnicos especializados nas emprezas de assis tencia tecnicas do governo.Não temos nenhum apoio do governo para produzir e não temos cursos nos sindicatos rurais tanto patronal como dos trabalhadores rurais.

Alexis Reyes

Punta del Este - Maldonado - Uruguai - Produção de ovinos
postado em 14/05/2012

Bom dia a todos..Ja faz muito que vejo com tristeza a situaçao e da ovinocultura do Brasil. Digo com tristeza, nao por que os produtores nao se interessen pelo que fazem, mas sim pelo encuadramento da atividade, em relaçao a proporçao de capacidade produtiva que tem o paìs.
Eu diria que de 0 a 100 % , o Brasil està em 15 ou menos. Se a ovinocultura brasileira  tomasse uma direçao de produçao intensiva e integrada com os atores industriais, se passaria de uma estrada de chao a uma Free Way.
Vcès no Brasil , nao entanto, tem uma VANTAGEM (Em maiùscula, por que è uma tremenda vantagem), que è um mercado interno inigualàbel em cuantidade, qualidade e preços e nao è pra vocès tào importante a exportaçao cuanto para nois no Uruguai.
Nois estamos formando um grupo de pessoas idòneas nas àreas de produçao no campo e na parte industrializadora de carne, como projeto para trabalhar em asesoramento. O pessoal,vai ser integrado por individuos que tem vinculaçao direta na pràtica das suas atividades. Se alguèm tiver interesse nisto, pode dirigir mail a lambandwine@adinet.com.uy e com prazer estaremos em contato.
Nossos comprimentos a todos

joão claudio cruz

São Borja - Rio Grande do Sul - Produção de ovinos
postado em 17/05/2012

João C Cruz
São Borja-RS
Muito pertinente o questionamento, conforme alguns depoimentos, o problema transcende fronteiras. Nosso estado é divido em metade Sul,  produção primária e metade Norte industrializado, há uma migração direta dos jovens do meio rural do sul ao norte na busca de emprego, tudo por que  não vislumbram alternativas  no meio rural, muitos nem completam o ensino básico e nesta condição, o campo de trabalho se torna restrito, e em muitos casos, vivem piores do que estivessem lá na pequena propriedade do interior. Reverter esta situação é um premissa, que não podemos deixar para o futuro, pois no presente é  uma realidade, que será revertida a medida que o homem do campo seja valorizado. Como sugestão é necessário, que a base curricular das escolas do interior, sejam diferentes das escolas urbanas, mais focadas na realidade do habitat do aluno, desde a iniciação escolar, pois necessitamos formar novos cidadãos que seu trabalho seja auto sustentável . Finalizando, podemos dizer que assistencialismo sem cobrança de resultados é oneroso a quem produz.

LUIZ CARLOS NUNES DOS SANTOS

Salvador - Bahia - Produção de ovinos
postado em 11/06/2012

De tdodos entraves produtivos na ovinocaprinocultura, indubitavelmente, este é o mais grave. A Bahia é o maior produtor do Nordeste, e, provalvelmente o mais deficitário neste quesito. Só existe mão de obra qualificada (sic) na produção genética, na produção de carne a qualificação é um desastre, inexistente. Até os tecnicos agrícolas são relutantes em adquirir conhecimento. O grau de escolaridade é fator determinante
da situação. Só com bastante amor e profissionalismo do gestor prá conseguir resultado satisfatório.

idovaldo morales

Ibiúna - São Paulo - Produção de caprinos de leite
postado em 14/06/2012

Estou iniciando minha producao de caprino, plantando meu proprio pastos em piquete, divercificados; quanto  a mao de obra, estou preparando meus funcionarios, nao tendo  pressa.acho que os governantes tanto municipais, estaduais, poderiam procurar os orgaos governamentais  as universidades para juntos acharmos a solucao, fornecer-mos bolsas para cursos tecnicos e superior.

Marcio Saratt

Presidente Prudente - São Paulo - Produção de ovinos de corte
postado em 09/12/2012

estou em são paulo desde 2007 morando em presidente prudente  Aqui já vi de tudo , valorizam muito mais um cabanheiro que consegui esconde os defeitos dos carneiros e ovelhas de pista  que um bom funcionario que fica na fazenda ou cabanha fazendo o rebanho reproduzir , Na nossa criação temos um rebanho de cria e confinamentos eu treinei  nosso tratador que além de bom salario ganha gratificação por lote vendido e acabado dos cordeiros só assim valorizando o funcionario é que conseguimos que eles  fiquem no campo. Hoje um servente de pedreiro ganha 60 reais por dia e acaba seu serviço  5 horas da tarde em quanto esse é o horario de começar o trato do confinamento um funcionario de usina de alcool  na nossa região ganha o dobro de um funcionario rural e para as 16 e 30 da tarde e pode passa toda a tarde no bar para tomar um cole  antes de ir para casa e  muito mais regalias que nossos funcionarios . Então se não pensarmos bem e começa a trabalhar junto com nossos funcionarios para baixar custo ja que cordeiros confinados nos ganhamos centavos de lucro por kg nem comecem a criar por que não van ter lucro, e ainda vão sair da atividade dizendo que ovelha não da lucro.  (  treino cabanheiros e pessoas que queiram trabalha com ovelhas/ )

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade