Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Marcelo Spinola opina sobre os entraves da ovinocultura

postado em 28/12/2010

3 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O produtor de ovinos de Araruama/RJ, Marcelo Spinola Vianna enviou um comentário ao artigo "3D da ovinocultura: quais os 3 desafios para 2011?". Abaixo leia a carta na íntegra.

"Prezados,

Li atentamente os comentários dos parceiros que escreveram anteriormente. É muito difícil relacionar apenas 3 pontos, mas vamos tentar.

Para o negócio tomar uma forma profissional, o "dono" do criação tem que aprender a criar, e não apenas mandar o funcionário fazer algum curso. Só com a mão na massa, as coisas funcionam. Não adianta dizer que a ovelha é frágil, que a verminose é o grande vilão, etc, se o "dono" vai ver os animais a cada 15 dias quando vai passear pela fazenda. Ovinocultor tem que viver dentro do seu negócio, ou o "dono" vai ser sempre aquele funcionário especialista em tudo. É uma fato incontestável que temos nas mãos a pecuária que mais cresce no Brasil, mas sendo criador de final de semana, não adianta.

Falam muito na comercialização clandestina ou na carne importada como sendo grandes concorrentes. Minha gente! O atravessador que chega na sua porteira e leva uma carreta de cordeiros para algum destino desconhecido, no caso do Rio de Janeiro, é fundamental, visto que são eles que mantém o mercado de escala ativo. Se os frigoríficos deixarem de ser gulosos e pagarem melhor, então é possível que este tipo de comprador vá desaparecendo aos poucos. Quanto à carne importada, devemos agradecer sempre aos irmãos uruguaios, pois graças a eles, nossa iguaria se tornou conhecida e popular.

Mencionaram também a questão de incentivos fiscais... Pelo amor de Deus! Amigos, não adianta pedir algum tipo de benção para reduzir impostos relativos ao nosso produto. Partindo do princípio que somos todos produtores rurais, e vivemos exclusivamente das nossas terras, temos que batalhar por incentivos de crédito das instituições financeiras, custos interessantes das indústrias de sementes, adubos, medicamentos, rações, etc. Impostos, e muitos, sempre iremos pagar. Esqueceram que vivemos no Brasil?

Amigos ovelheiros, resumindo um pouco, na minha opinião os 3 grandes desafios são pequenas mudanças de postura:

1) Descer do pedestal de fazendeiro e cuidar do seu animal com suas próprias mãos. Nada melhor do que o perfume da sua ovelha no seu macacão no final do dia.

2) Se preocupar em produzir seu cordeiro da melhor, mais econômica, rápida e lucrativa forma, e não se quem vai comprar é o mega frigorífico ou o atravessador.

3) Parar de chorar imaginando o sonho do incentivo fiscal. Se não está satisfeito, mude de país.

Abraços, sucesso e um maravilhoso 2011!"

Clique aqui para ler mais opiniões sobre este assunto.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

eldar rodrigues alves

Curitiba - Paraná - governo
postado em 28/12/2010

Como falamos aqui no sul "curto e grosso" Parabens !

Ivan Saul

São José dos Pinhais - Paraná - Produção de ovinos
postado em 29/12/2010

Grande colega ovelheiro Marcelo Spinola Vianna.

Congratulações pela objetividade e franqueza da tua carta e pela clareza da tua visão dos problemas da ovinocultura. Há uns dias, lendo esta tua postagem, me inspiraste um artigo que, se a peneira do FarmPoint estiver meio grossa, deve ser publicado próximamente.

Concordo plenamente com os desafios que enumeraste, só quero acrescentar que, como disse meu vizinho Eldar, "no Sul se diz" que todo pecuarista é chorão e, também, "que o choro é livre, assim como a ´corneta´". Ou seja, qualquer um pode chorar mas tem que aguentar as consequentes críticas e brincadeiras.

Subsídio ou incentivo fiscal é para europeu ou americano que não tem capacidade competitiva no mercado, aqui os portugueses (comerciantes natos) sempre pregaram que "quem não tem competência, não se estabelece". Vamos todos mostrar nossa competência para produzir cordeiros de qualidade (da forma que recomendas - econômica), quem quer comprar que corra atrás, no pior dos casos venderemos capão para o atravessador e balizaremos nossos investimentos pelas exportações do Uruguay (como sempre foi).

Um abraço à todos na Green Lamb, Ivan.

Saudações ovelheiras!
Ivan Saul D.V.M., M.Sc.Vet. - Granja Po´A Porã, 29/dez/2010.

Silvio de olivira campos

Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Produção de ovinos
postado em 07/05/2011

Valeu meu irmâo, a sua carta está de parabéns. Um abraço para todos!
ASS: Silvio   .
                    .    .

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade