Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Medo de recessão paralisa negócios com lã ovina

postado em 17/11/2008

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O medo da recessão nos mercados europeus está fazendo com que as tecelagens deste continente parem as encomendas de tops de lãs provenientes do sul do Brasil. A medida já está refletindo nas compras do produto e diminuindo a comercialização da safra 2008/09 que está em pleno andamento. Segundo o presidente da Cooperativa Tejupá, de São Gabriel, município do centro oeste do Rio Grande do Sul, Carlos Leal, os valores pagos aos produtores estão variando de R$ 3,30 a R$ 3,50 para a lã Corriedale e R$ 5,00 para a lã Ideal. "Mas nosso ritmo de comercialização está baixo porque a indústria também não está comprando", lamenta.

Ele diz que seu principal cliente está com funcionários parados porque também não está conseguindo fechar contratos de venda. "Normalmente, neste período, já teríamos boa parte da safra comercializada", ressalta Leal. A expectativa do dirigente é produzir cerca de 2,5 milhões de quilos de lá nesta safra.

Na Cooperativa Mauá, de Jaguarão, extremo sul do Estado, a safra começou mais cedo que o normal para a região, em outubro. Leocádio Ledesma é o presidente e afirma que neste ano a produção deve chegar a 500 mil quilos, no máximo. Os valores estão semelhantes aos praticados em São Gabriel, e os negócios também não estão em ritmo semelhante ao de anos anteriores. "A indústria está com medo de colocar preço por conta da oscilação do dólar", assinala Ledesma. Os dois dirigentes ressaltam, no entanto, que a valorização do dólar frente ao real, é uma vantagem para o setor, pois a lã é comercializada com base nos valores internacionais. "Se temos esta valorização, o produtor vai ganhar mais este ano, caso os negócios começem a andar", especula Leal.

O presidente da Associação Brasileira de Criadores, ARCO, Paulo Schwab, afirma que este atraso na comercialização da lã deve se estender até o início de 2009, quando a Europa volta das férias de final de ano. "Isto já está trazendo fortes reflexos na economia brasileira e gaúcha, principalmente, pois é o principal Estado produtor de lã do País", assinala. Segundo ele a estimativa é que nesta próxima safra a produção seja semelhante a do ano passado que ficou em torno de 11 milhões de quilos, representando um faturamento de US$ 22 milhões. "È um setor que emprega diretamente no campo cerca de 30 mil pessoas e que depois da industrialização da lã, em tops, fatura mais US$ 28 milhões. Se tudo isto parar, vai causar um grande problema econômico", alerta Schwab, acrescentando que já há indícios de que a indústria está com setores parados.

As informações são da Arco, adaptadas pela equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade