Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Mercosul é contra controle de preços de commodities

postado em 04/04/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O aumento dos preços de produtos agrícolas e a volatilidade das commodities no mercado internacional motivaram ministros da Agricultura de seis países da América do Sul a esboçar uma estratégia comum para enfrentar o tema. A iniciativa da França de controlar os preços das commodities levou o Conselho Agropecuário do Sul (CAS), composto pelos ministros de Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai, a manifestar descontentamento com a proposta.

"Só há uma maneira de baixar os preços dos alimentos: aumentar a produção no campo. E a América do Sul é um dos poucos lugares do mundo, além da África, com terras férteis e condições para ampliar a oferta de produtos agrícolas", disse o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Wagner Rossi. A rejeição à proposta de controle de preços foi levantada na reunião por iniciativa de Brasil e Argentina. Rossi é presidente do Conselho Agropecuário do Sul.

A ideia de criação de mecanismos para deter a alta dos preços das commodities, defendida pelo presidente francês Nicolas Sarkozy, foi considerada pelos seis países integrantes do CAS um desestímulo à produção agrícola. Sem citar a França, em documento oficial, o conselho mostrou-se unido contra a proposta.

A declaração é assinada pelos ministros Julián Domínguez (Argentina), Nemesia Achacollo (Bolívia), Wagner Rossi (Brasil), José Antonio Galilea (Chile) e Enzo Cardoso (Paraguai), além do vice-ministro de Agricultura do Uruguai, Daniel Garín. Eles não apenas reiteraram a defesa do livre comércio, como também acreditam que o tema deve ser colocado no centro das próximas negociações de Doha.

Na nota, os ministros apontam que a volatilidade atual dos preços dos alimentos e das commodities agrícolas não é "significativamente superior à média histórica". E mais. Consideram que a alta dos preços dos alimentos não é "a principal causa da insegurança alimentar" no mundo, mas a pobreza estrutural à qual está submetida grande parte da população mundial. "Mais de 1 bilhão de pessoas se encontram afetadas por este flagelo", apontam os ministros na declaração.

Perspectiva histórica

A questão da volatilidade dos preços das commodities agrícolas foi analisada na manhã desta sexta-feira, 1º. de abril, pelo secretário de Política Agrícola do Brasil, Edilson Guimarães. Ele fez uma apresentação às autoridades ligadas à agricultura e pecuária, reunidas desde quinta-feira em Buenos Aires, para a 20ª Reunião do Conselho Agropecuário do Sul. Além dos ministros de Agricultura e representantes dos governos vizinhos, participaram representantes do setor privado e especialistas.

Com base em dados históricos do Fundo Monetário Internacional (FMI) e outros estudos apresentados na última reunião do G20 - o grupo dos 20 países mais ricos do mundo -, Guimarães mostrou que não há como estabelecer mecanismos para o controle dos preços.

"Nos últimos 40 anos, os preços das commodities agrícolas só tiveram pico de alta em função das três grandes crises econômicas mundiais: a do petróleo (anos 70), a dos pa íses asiáticos (anos 90) e a de 2008", disse.

As informações são do Mapa, resumidas e adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade