Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Mercosul: entrada da Venezuela não é aceita por todos

postado em 29/10/2009

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Depois do próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva cabalar votos, a Comissão de Relações Exteriores do Senado deve aprovar hoje (29), com folga de votos, o ingresso da Venezuela no Mercosul, tal como estabelece o Protocolo de Adesão, assinado em 4 de julho de 2006, em Caracas. Em vez de reabrir negociação para que o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) pudesse rever seu parecer contrário à entrada da Venezuela no bloco, a base governista decidiu derrotar a oposição no voto.

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), apresentará seu voto em separado, favorável à inclusão da Venezuela, com a assinatura de apoio de 13 integrantes da comissão, oito deles titulares. A oposição terá, no máximo, seis votos do PSDB e do DEM.

Apesar da previsão tranquila de dois votos favoráveis para cada manifestação de veto da oposição - que combate o governo do presidente da Venezuela, Hugo Chávez -, Lula entrou pessoalmente na negociação. O senador Fernando Collor (PTB-AL), por exemplo, que avançara em sua posição contrária ao ingresso da Venezuela, defendendo publicamente seu ponto de vista, vai facilitar a vida do governo na comissão, ausentando-se da votação.

Quem votará no lugar de Collor será o senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR), que quer ampliar o Mercosul, embora esteja de acordo com todas as ressalvas feitas por Tasso, como a falta de democracia, de imprensa livre e de regras estáveis no país vizinho.

O mesmo ocorreu com o senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE). Antes de assinar o voto em separado de Jucá, ele também recebeu um telefonema do presidente, preocupado em certificar-se do apoio do socialista.

"Não se pode afirmar que a Venezuela vive sob um regime que não admite oposição e contestação", diz Jucá, em seu parecer. Para ele, a Venezuela tem uma imprensa "bastante atuante, que faz oposição ferrenha ao governo Chávez, o que assegura a divulgação livre de informações própria dos regimes democráticos". O problema, a seu ver, está na "guerra midiática entre governo e oposição".

Quanto às violações de direitos humanos denunciadas em relatórios de alguns organismos internacionais, Jucá argumenta que essas entidades nem sempre são neutras e, portanto, os documentos não podem ser vistos como uma descrição perfeita da realidade, uma vez passíveis de motivações políticas. O senador acrescenta, ainda, que o próprio Brasil não pode ser encarado como um modelo, no que tange ao respeito aos direitos humanos. "Infelizmente, ainda há tortura contra presos comuns, trabalho em condições de escravidão, discriminação de gênero e raça, entre outros problemas."

O voto em separado do líder também chama a atenção para o "excelente relacionamento" entre os dois países no governo Fernando Henrique Cardoso, a quem Chávez chamava de "mi maestro". Ele recorda que a relação com o país foi consideravelmente ampliada ao longo dos dois governos de FHC, que fez cinco visitas a Chávez e, segundo o líder, além de ter condenado o golpe contra o venezuelano, foi o primeiro presidente brasileiro a falar na participação do país vizinho no Mercosul.

A matéria é de Christiane Samarco, para o jornal O Estado de S.Paulo, adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Paulo Cesar Severino de Oliveira

Sinop - Mato Grosso - Produção de gado de corte
postado em 29/10/2009

È triste saber que no Brasil o nosso Presidente apoia a entrada da Venezuela no Mercosul, um país em que a todo momento a gente vê um golpe na democracia. Lula não deixe este mau exemplo para a posteridade, não deixe os princípios econômicos se sobreporem aos princípios democráticos. Me dá nojo só de ouvir os ataques a liberdade que esse Hugo faz ao povo venezuelano. Pense bem não a dinheiro no mundo que pague a liberdade de uma nação! No fundo vossa excelência está pisoteando os princípios democráticos em nome de uma relação comercial que favorece o Brasil. Isso é ganância pura... Isso não é crescimento sustentável, Sr. Presidente.

José Almeida de Oliveira

Major Isidoro - Alagoas - Empresário
postado em 06/11/2009

No atual Governo não se pode esperar outra atitude. Veja o apoio aos bagunceiros do MST! Observem o comportamento dos Deputados e Senadores amigos do atual Governo! Vejam a bagunça desenfreada na esfera Federal que tem o beneplácito do atual mandatario! É uma pena que a maioria dos eleitores vivem recebendo migalhas e desocupados, aumentam o consumo de bebidas alcoolicas e drogas! Regime de bagunça, anarquia vigente, classe média em decadéncia!

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade