Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

México autoriza 1º lote de carne ovina uruguaia

postado em 08/12/2009

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A missão sanitária mexicana para habilitação de plantas exportadoras de carne ovina do Uruguai ainda não tem data confirmada, mas já autorizou a entrada do primeiro lote de cortes desossados e maturados. O Governo do Uruguai apura as gestões para deixar habilitada, antes do fim do ano, a entrada de carne ovina sem osso e maturada no mercado mexicano.

A análise de risco, ou seja, a etapa de estudos técnicos anterior à habilitação do mercado mexicano para a carne ovina uruguaia, já está terminada e as autoridades sanitárias mexicanas estão convencidas de que não haverá risco algum ao abrir as portas a esse produto. A expectativa está centrada no envio da missão técnica que habilitará os frigoríficos exportadores, para a qual não há data, mas a gestão está sendo apurada para que os técnicos cheguem na segunda quinzena desse mês.

No entanto, o embaixador uruguaio no México, José Ignacio Korzeniak, confirmou que a Secretaria de Agricultura, Pecuária, Desenvolvimento Rural, Pesca e Alimentação "já autorizou o primeiro embarque de produtos" que será destinado à promoção dos mesmos. Para decidir os detalhes, a representação diplomática uruguaia já está trabalhando com os importadores mexicanos.

Korzeniak disse que nos supermercados "é registrado um comércio interessante de carne ovina sem osso de origem neozelandesa" e recordou que, no caso do Uruguai, o produto terá "vantagens tarifárias" frente aos demais abastecedores. "Pagará cerca de 7%, um valor muito parecido com o que hoje se paga a carne bovina uruguaia que está entrando".

"Temos certas expectativas com esse mercado, porque há outros exportadores, como Nova Zelândia, que estão exportando com êxito o mesmo produto". Também estão adiantadas as gestões sanitárias para destravar a entrada do produto nos Estados Unidos e Canadá.

Para os analistas, o México não será um mercado de volume, mas sim, de qualidade, e servirá para dinamizar os preços da carne ovina mexicana. "Vejo esse mercado como um grande dinamizador de preços já que, embora importe um pouco de cordeiros, é bem mais importador de cortes de animais adultos", disse o especialista do Secretariado Uruguaio de la Lana (SUL), Carlos Salgado. Os mexicanos importam da Austrália e da Nova Zelândia entre 40.000 e 50.000 toneladas. "É uma possibilidade a mais para valorizar a carne ovina uruguaia. A capacidade de negociação melhora à medida que se diversificam os mercados".

Embora o rebanho ovino uruguaio tenha baixado em 5,27% de um ano para outro, ficando em 8.889.718 cabeças, Salgado recordou que a oferta de cordeiros cresceu e é recorde: chegou a 1.110.000 cabeças. Esse é um passo importante frente à expectativa de mercados que o Uruguai tem hoje.

A reportagem é do El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade