Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Milho: Conab prevê queda na produção brasileira na safra 2013/2014

postado em 06/11/2013

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

As baixas cotações do milho em 2013 podem influenciar o recuo na produção brasileira do cereal no próximo ano. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) prevê que a produção brasileira caia entre 1,7% e 3,2%, com volumes próximos a 79 milhões de toneladas na safra 2013/2014. Os principais produtores nacionais, Paraná e Mato Grosso, influenciarão neste recuo.

A Conab estima que a produção do Paraná caia, em média, 857 mil toneladas em 2014. Segundo o Instituto Mato Grossense de Economia Agropecuária (Imea), o Mato Grosso deverá reduzir sua produção em 6,2 milhões de toneladas, com um provável recuo no uso de tecnologia e área de semeadura. Porém, devido aos estoques iniciais recordes, a safra 2013/14 brasileira terá ainda altos estoques de passagem.

A colheita realizada já em 59% das lavouras do cereal nos Estados Unidos pressiona ainda mais as cotações no mercado internacional, influenciando também as cotações internas do cereal. Produtores brasileiros, diante deste cenário baixista, devem ficar atentos para aproveitar as oportunidades que surgirem, como os altos preços dos prêmios nos portos, registrados atualmente próximos a US$ 0,45 o bushel em Paranaguá para dezembro de 2013, levando a crer que a demanda pelo milho brasileiro continua firme no mercado externo.

Mercado interno

Outubro encerrou com média de R$ 10,43 a saca, semelhante à média de setembro de R$ 10,47. Durante a última semana de outubro as cotações ficaram levemente abaixo das registradas na semana anterior. O milho fechou a sexta, dia 1, a R$ 10,98 a saca, com recuperação semanal de 1,6%. As cotações do cereal continuam com grandes disparidades ante o mesmo período do ano passado, quando o preço girava em torno de R$ 18,10 a saca, em Outubro. Embora a Bolsa de Chicago tenha apresentado quedas durante toda a última semana, o preço estadual do milho aumentou R$ 0,50 a saca, influenciado, dentre outras variáveis, pela alta semanal de 2,6% na cotação do dólar frente ao real. Sem previsões para o próximo leilão de Pepro de milho e com os produtores focados na semeadura de soja, o mercado do cereal se encontra com poucas negociações.

Mercado futuro

Na Bolsa de Chicago as cotações do milho iniciaram a última semana com recuo semanal de 4,75 pontos, negociado a US$ 4,39 o bushel. O mercado cria expectativa sobre o relatório de rendimento recorde para a safra 2013/2014 do milho norte-americana, a ser divulgado no dia 08/11. As cotações permaneceram em queda consecutiva durante toda a semana, influenciada também pelo enfraquecimento nas cotações do trigo, que afeta o preço do cereal. Apesar das boas vendas semanais de milho norte-americano, que acumularam em três semanas 4,55 milhões de toneladas, contra 313 mil toneladas registradas no mesmo período do ano passado, o preço não reagiu.

As informações são do IMEA 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade