Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

MST: invasões põem em risco VBP da agropecuária

postado em 26/04/2010

4 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O Brasil pode perder R$ 187 milhões do faturamento bruto da atividade agropecuária por conta das invasões promovidas pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) durante o "abril vermelho". Esse valor representa quase 10% do Valor Bruto da Produção (VBP) da agropecuária brasileira.

As perdas potenciais atingem principalmente os Estados da Bahia, Pernambuco e São Paulo, mas envolvem, ao todo 15 unidades da federação. O cálculo considera as invasões realizadas até o dia 23 de abril, conforme informações reunidas pelo "Observatório das Inseguranças Jurídicas no Campo" da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Os prejuízos gerados apenas no "Abril Vermelho" não se limitam a perdas no faturamento da atividade agropecuária. Há prejuízos ao longo de toda a economia. A perda potencial na arrecadação de impostos estaduais e federais é estimada em R$ 27 milhões, caso o Direito de Propriedade não seja respeitado e as invasões, mantidas. Também colocam em risco a geração de emprego no campo. Nada menos que 980 postos de trabalho poderão ser eliminados, caso as terras permaneçam invadidas.

Até agora, a CNA apurou 83 invasões de terras promovidas pelo MST durante o "abril vermelho". Foram ajuizados 12 pedidos de reintegração de posse, sendo que seis deles foram deferidos e, até a última sexta-feira (23), nenhuma liminar foi cumprida. Os números fazem parte do novo boletim informativo da campanha "Vamos tirar o Brasil do vermelho - invasão é crime", lançado pela CNA. O boletim vai consolidar dados de todo o Brasil relativos às invasões de propriedades rurais promovidas pelo MST.

O "Observatório das Inseguranças Jurídicas no Campo" foi instalado em fevereiro, para monitorar ameaças ao Direito de Propriedade e de violência aos produtores rurais. Os dados coletados serão disponibilizados para toda a sociedade, para auxiliar no cumprimento das leis e na promoção da paz no campo.

As informações são da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Luciano Andrade Gouveia Vilela

Araguatins - Tocantins - Produção de gado de corte
postado em 26/04/2010

Por Que as liminares não são cumpridas, aquem recorrer ...

Cleziomar A. V. Egidio

Fazenda Nova - Goiás - Consultoria/Pecuária de Cria/Análise de Sistemas
postado em 26/04/2010

É imcompreensível o quanto o Governo Federal se manteve calado e omisso diante destas atitudes criminosas em um estado de direito.

Eles não sabem o sentido da frase "O meu direito começa onde termina o seu.".

É Lastimável.

Maria do Socorro dos Santos

Recife - Pernambuco - Produção de ovinos
postado em 26/04/2010

Não da pra entender como as autoridades fecham os olhos pra esse tipo de atividade. E ainda tem juizes que negam pedidos de reintegração de posse! É estamos em ano eleitoral e privilegios são dados.
Esses brutamontes não querem saber quanto tempo demorou para se adquirir uma terra, quanto tempo foi destinado ao estudos, eles veem e destroem tudo, como já fizeram em diversos lugares. Até quando teremos impunidades!

DARLANI PORCARO

Muriaé - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 26/04/2010

Caso a Sra. Dilma ganhe a eleição, e para quem produz na terra, precisamos saber dela, qual o seu pensamento sobre essa turma de bandidos em sua maioria, com o nome de MST, que contribui muito para o crescimento da agropecuária em nosso país . Precidamos urgente de ter uma politica voltada para o agronegócio, se quisermos ser competitivos .

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade