Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Mudanças climáticas trazem prejuízos ao agronegócio

postado em 11/08/2008

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

As mudanças climáticas ocasionadas pelo aquecimento global poderão impor prejuízos de R$ 7,4 bilhões ao agronegócio brasileiro em 2020 e R$ 14 bilhões, em 2070, alterando - para pior - a economia e a geografia da produção agrícola no País. A previsão está em um estudo que será divulgado hoje por pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Das nove culturas avaliadas - algodão, arroz, café, cana-de-açúcar, feijão, girassol, mandioca, milho e soja -, só duas serão beneficiadas pelo aquecimento global: cana e mandioca. Todas as outras sofrerão com a perda de áreas propícias para cultivo e aumento do custo de produção.

"O País está vulnerável", diz Eduardo Assad, chefe-geral da Embrapa Informática Agropecuária, que coordenou o estudo ao lado de Hilton Silveira Pinto, do Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura (Cepagri) da Unicamp. "Áreas que atualmente são as maiores produtoras de grãos podem não estar mais aptas ao plantio bem antes do final do século", alerta o estudo.

A soja, principal produto agrícola da balança comercial brasileira, será a cultura mais afetada, com redução de 40% da área de baixo risco para cultivo até 2070. Os Estados do Sul e o cerrado nordestino serão as regiões mais impactadas, em razão da perda de água (deficiência hídrica) e do aumento de temperatura. O prejuízo pode chegar a R$ 4,3 bilhões em 2020 e R$ 7,6 bilhões, em 2070, no cenário mais pessimista.

O arroz e o feijão perderão espaço no semi-árido nordestino, que deverá ficar ainda mais quente e seco. A redução de precipitação na região, segundo ele, poderá chegar a 40%. Até a tradicional mandioca sofrerá com o calor excessivo do interior nordestino. O café será expulso de suas áreas tradicionais de cultivo no Sudeste, como o interior paulista, e forçado a migrar para regiões de clima mais ameno no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

A cultura do milho, crucial para a alimentação de gado, aves e suínos, também será duramente prejudicada, tanto no Nordeste quanto no Centro-Oeste. As perdas de área podem chegar a 12% em 2020 e 17%, em 2070.

Já a cana poderá dobrar a sua área potencial de plantio até 2070 - de 6 milhões de hectares para 13 milhões de hectares. A expansão ocorreria principalmente no Sul, onde a cana poderia substituir a soja, por causa da redução na freqüência de geadas. Além do aumento de área, a cana pode ter um ganho de produtividade. Estudos conduzidos pelo biólogo Marcos Buckeridge, da Universidade de São Paulo (USP), mostram que o aumento da concentração de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera tem um efeito fertilizante sobre a planta, que passa a fazer mais fotossíntese, incorporar mais biomassa e produzir mais açúcar.

"O aumento da área propícia à cultura, aliado às vantagens da planta no seqüestro de carbono e do etanol (...), deve consolidar a cana como fonte de energia primária", conclui o estudo.

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade