Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

O reajuste no preço do combustível já refletiu no campo?

postado em 27/02/2013

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A Petrobras anunciou reajuste no fim do mês de janeiro nas refinarias. O reajuste é em média de 6,6% para a gasolina e de 5,4% para o diesel, segundo comunicado da empresa. Segundo a Petrobras, esse reajuste foi definido levando em consideração a política de preços da Companhia, que busca alinhar o preço dos derivados aos valores praticados no mercado internacional em uma perspectiva de médio e longo prazo. De acordo com o Esalq-LOG, o comportamento altista também é esperada para o etanol e para os próximos meses, a tendência é que o preço do litro suba não só por causa da entressafra, mas também em decorrência do aumento da gasolina.

De acordo com a associação que reúne as transportadoras do país, o aumento no preço do diesel deverá elevar em 2,16 por cento o custo do frete de produtos agrícolas no Brasil, em um momento em que o setor já se prepara para enfrentar gastos elevados com transporte rodoviário para escoar uma safra recorde de grãos.

A NTC&Logística, associação que reúne as mais importantes empresas de transporte do Brasil, calcula que o diesel tenha peso de 40 por cento nos custos do frete agropecuário, que em grande parte é feito em caminhões de porte pesado, os chamados "bitrens", percorrendo longas distâncias.

Para o transporte rodoviário em geral no país, a entidade prevê aumento de 1,52 por cento no frete, uma vez que na média da frota brasileira de caminhões o diesel representa 30 por cento dos custos operacionais. A entidade destacou que o setor agrícola pode se preparar para uma safra com transporte rodoviário que pode ser até 50 por cento mais caro, em determinados momentos, acrescentando-se outros fatores ao aumento do diesel, incluindo a lei que restringe a jornada dos caminhoneiros.

Na bomba, o litro do óleo diesel comum subiu 6%, passou de R$ 2,33 para R$ 2,47, em média, na região de Rondonópolis, sul do Mato Grosso. De acordo com a Associação dos Transportadores de Cargas do Mato Grosso (ATC), o óleo diesel representa em torno de 50%, do custo do frete, o que equivale dizer que de cada R$ 100 que uma transportadora recebe pelo frete, R$ 50 fica só para o pagamento do consumo do óleo diesel. Deve ser lembrado ainda que em Mato Grosso, o combustível é mais caro porque a alíquota de ICMS, imposto sobre circulação de mercadorias e serviços, é de 17%, enquanto que em outros estados produtores como São Paulo, Paraná e Goiás, é de 12%. A Associação dos Transportadores de Carga de Mato Grosso estima que, no estado, o valor do frete tenha sofrido um aumento de 3%.

Nesse contexto, o FarmPoint pergunta: o reajuste no preço dos combustíveis já pesou no seu bolso e/ou nos seus custos de produção?

Participe, deixe o seu comentário e interaja com produtores de todo o Brasil.


Equipe FarmPoint
 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade