Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Países emergentes embalam avanço agrícola

postado em 14/06/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Os países em desenvolvimento vão ser a grande força do crescimento da produção, do consumo e do comércio agrícola nos próximos dez anos, segundo o relatório de perspectivas agrícolas da Agência para Agricultura e Alimentação das Nações Unidas (FAO) e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

A demanda desse grupo é impulsionada por aumento da renda per capita e pela urbanização, reforçada pelo crescimento populacional que é duas vezes maior do que nos países desenvolvidos.

A tendência é de um aumento no consumo de produtos como carnes e alimentos processados, o que deve favorecer os produtores de bovinos e frangos. Com uma classe média em expansão, o consumo de alimentos nos países em desenvolvimento deve depender menos de mudanças no preço e na renda.

Nesse cenário, segundo a FAO e a OCDE, os preços médios das commodities projetados para os próximos 10 anos devem ficar acima dos níveis anteriores ao pico de alta de 2007-2008. As cotações de trigo e grãos podem subir entre 15% e 40%. Os preços das carnes em termos reais devem superar a média de 1997-2006 em decorrência da menor disponibilidade, maior custo de ração para os animais e maior demanda.

A recuperação econômica vai ampliar o consumo de carnes, sobretudo nos países em desenvolvimento. As mais beneficiadas serão proteínas mais baratas como carne de frango e carne suína. Para os lácteos, as instituições estimam alta de preços, em termos reais, entre 16% e 45% - a maior valorização será na manteiga.

Em praticamente todas as commodities, as importações e as exportações dos países em desenvolvimento deverão superar as dos ricos. Apenas a exportação de farelo de proteína crescerá mais rápido nos países da OCDE até 2019.

Por outro lado, o relatório mostra que os países desenvolvidos continuarão a dominar as exportações de trigo (52% do total mundial), grãos forrageiros (59%), carne suína (80%), queijo (63%) e leite em pó (66%). Contudo, países em desenvolvimento continuarão como líderes na exportação de arroz (88% do mercado mundial), oleagionosas (56%), farelo de proteínas (80%), óleos vegetais (91%), carne bovina (57%) e frango (63%).

Ainda no que diz respeita à produção, a FAO e a OCDE estimam que a maior parte da expansão da oferta mundial de oleaginosas, como soja, estará concentrada no Brasil, Estados Unidos e Argentina. Os EUA devem continuar a ser o maior produtor global, mas quase 70% do aumento das exportações virá do Brasil, elevando de 26% para 35% sua fatia no comércio mundial até 2019. Nesse ritmo, o país poderá se tornar o maior exportador mundial de oleaginosas em 2018, superando os EUA.

No caso do etanol, quase 40% do aumento da produção deve vir de maior oferta a partir da cana-de-açúcar, sobretudo do Brasil, para atender o mercado doméstico e a demanda dos EUA.

Outro segmento em que o Brasil pode aumentar sua presença é nas exportações de lácteos, diz o documento. A produção de leite deve crescer 2,3% ao ano, em razão do incremento da produtividade e investimentos.

O país também deve seguir como o segundo maior exportador mundial de farelo. A projeção é que as vendas externas brasileiras aumentem quase 20%, mesmo com o maior consumo doméstico.

O relatório mostra também que os níveis de subvenção agrícola nos países emergentes monitorados pela OCDE tendem a aumentar, mas continuam muito abaixo dos bilionários subsídios da maioria dos países desenvolvidos. No Chile, por exemplo, é de 4%, e na Rússia, de 14%.

Já nos países ricos, a ajuda vinculada ao tamanho da produção alcançou US$ 250 bilhões em 2008, derrubando preços internacionais e gerando concorrência desleal. Os campeões de subsídios são os EUA e a União Europeia, com 30% e 40% do total respectivamente, o que resulta em acúmulo de oferta e derrubada dos preços mundiais. No Japão e na Coreia do Sul, 90% da subvenção são também vinculados à produção.

A reportagem é do Jornal Valor Econômico, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade