Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Países estudam a criação de estoque de alimentos

postado em 08/07/2009

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Uma declaração sobre segurança alimentar global estava sendo negociada ontem (07), em Roma, entre o G-8 (sete países ricos e a Rússia), o G-5 (Brasil, China, Índia, México e África do Sul) e alguns países africanos. Nações desenvolvidas e emergentes vão se comprometer a examinar esquemas para estocagem internacional de alimentos e a monitorar a especulação nos preços para evitar a recorrência de crises alimentares.

Num documento que envolve o futuro da agricultura global, não havia menção ao termo "subsídios agrícolas". Isso contraria a posição brasileira, da Índia e de outros emergentes que consideram que as subvenções bilionárias concedidas pelos países ricos a seus agricultores afetaram duramente a capacidade de produção das nações em desenvolvimento nos últimos trinta anos.

O documento será tema da reunião do G-8 que começa hoje em Áquila, na Itália. Além de procurar garantir segurança alimentar para um bilhão de pessoas famintas, a comunidade internacional precisará quase dobrar a produção de cereais para alimentar a população global de mais de 9 bilhões de pessoas em 2050.

Em julho de 2008, o G-8 conclamou os países com estoques de alimentos a distribuir parte das reservas aos países em crise alimentar. Agora, a ideia vai mais longe. Abre-se a discussão sobre a criação de estoques de alimentos. O Japão, maior importador mundial, é um dos maiores defensores. Parlamentares nos EUA já sugerem a localização regional dos estoques. A França também tem sido firme na defesa do mecanismo, estimando que ajudará no combate a especuladores nos mercados de commodities. Já o Brasil vê a ideia com desconfiança e teme que os grandes produtores acabem por pagar a conta. Especialistas ouvidos pelo Valor acreditam que a proposta pode evitar disparadas de preços, mas é de difícil execução.

O foco da ajuda dos países ricos está mudando, passando de ajuda alimentar para assistência financeira à produção nos países pobres, incluindo a agricultura familiar. A ambição, no papel, é que as nações desenvolvidas se comprometam a elevar a ajuda oficial para a agricultura de 3% da assistência total para 17%. Isso significaria passar de US$ 3,6 bilhões para US$ 20 bilhões por ano.

A matéria é de Assis Moreira e Patrick Cruz, publicada no jornal Valor Econômico, adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade