Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Pedro Nacib comenta sobre sistema extensivo de ovinos

postado em 23/02/2010

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O médico veterinário e sócio da AllStock do Brasil Genética, Pedro Nacib Jorge Neto, de Itapira, São Paulo, respondeu a dúvida de um leitor no artigo "Pedro Nacib opina sobre o modelo produtivo de ovinos". Abaixo leia a carta na íntegra.

"Prezado Diogo,

primeiramente agradeço os comentários, com certeza permitem um melhor aproveitamento do assunto.

Uma criação extensiva normalmente é realizada em áreas com terras mais baratas. São Paulo por exemplo, possui terras com valores muito altos, portanto, no meu ponto de vista, não viáveis para a ovinocultura.

Não acha mais barato formar pastagens de qualidade e mantê-las do que comprar grãos e além do custo dos grãos, ter um custo ao fazer a ração e um custo com a mão de obra?

Respondendo aos ítens:

-Qual seria o tamanho de uma propriedade com 1000 matrizes e a taxa de lotação?

250 hectares de pastagens, considerando a lotação baixa de apenas 4 cabeças por hectare.

-Seria um sistema de pastejo rotacionado?

Pastos grandes e rotacionados. Não é o fato de ser um sistema extensivo que terá baixa tecnologia.

-Esses animais receberiam suplementação durante a seca?

Com a lotação de 4 cab/hec, não vejo necessidade em boa parte das regiões.

-O custo de manutenção da pastagem não seria maior?

Com certeza é inúmeras vezes mais barato que produzir ração e ter que tratar com ração. Nas minhas contas, o kg de pastagem (em matéria seca) é de R$0,06. Para o kg de ração (matéria seca, com subprodutos) é de R$0,45, ou seja, 5 vezes mais caro. Isso sem considerar a quantidade de horas de mão de obra necessárias por dia para tratar no cocho.

Com genética, conseguimos resultados. Não adianta algo ser lindo na teoria e não se aplicar à prática. Tudo o que você disse referente ao confinamento concordo, mas na hora que colocar na ponta do lápis, verá que a realidade é diferente.

É muito mais barato a longo prazo investir em genética e pastagens de qualidade do que em confinamento. O cordeiro de genética consegue chegar em pastagens boas ao peso de abate aos 90-100 dias. Para que usar então confinamento, gastar mais e ter um resultado similar?"


Clique aqui para ler mais opiniões sobre este assunto.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Pedro Nacib Jorge Neto

Campinas - São Paulo - Nutrição de Ruminantes / Reprodução de Ovinos
postado em 23/02/2010

Apenas complementando: a lotação de 4 cab/ha é para matriz. Por ser um número baixo, inclui 1 macho para 50 cabeças e as crias no período de amamentação.

Att.
Pedro Nacib Jorge Neto

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade