Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Pedro Nacib fala sobre as raças Dorper e White Dorper

postado em 22/09/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O médico veterinário e sócio da AllStock Brasil Genética, Pedro Nacib Jorge Neto, de Itapira, São Paulo, enviou um comentário ao artigo "Firmes no caminho errado ". Abaixo leia a carta na íntegra.

"Prezado Sr. Octávio, apenas esclarecendo alguns pontos de seu texto:

A raça Dorper e White Dorper é uma REALIDADE mundial e não uma aposta igual normalmente foi feito até hoje no Brasil. O Dorper e White Dorper estão presentes na África do Sul, Namíbia, Austrália, EUA, México etc. Em todos estes países a raça vai muito bem.

Não sei se já teve oportunidade de ir à África ou à Austrália, mas o comentário que fez é infundado. Ambos os países apresentam no verão dias e noites quentes e no inverno podem ter dias quentes e noites frias. Em Dubbo (Austrália), cidade forte da ovinocultura australiana, tive oportunidade de pegar -3 graus Célcius no início da manhã e +37 no início da tarde. O Dorper e o White Dorper iam muito bem nestas condições. No verão a temperatura não foge muito do nosso nordeste tendo ainda temperaturas mais elevadas, além do buraco que a Austrália possui na camada de ozônio.

Referente a degeneração testicular, qualquer raça pode apresentar, inclusive o Dorper e o White Dorper. Tive oportunidade de colhetar diversos machos de diversas raças na Austrália e trabalho com isto no Brasil e posso te afirmar que este comentário não retrata a realidade das raças Dorper e White Dorper.

O senhor sabe o aumento de rendimento de carcaça, de qualidade de carne, de ganho de peso e conversão alimentar que a utilização do Dorper e do White Dorper traz?

CUNHA et al (1998) apresenta 39,2% de rendimento de carcaca comercial para animais da raça Corriedale, 42,6% para cruzamentos de Ile com Corriedale. Bona et al apresenta 44,7% de rendimento para cruza de Hampshire com Corriedale. Santos et al apresenta os rendimentos de 46,5% para cruza Suffolk x Santa Inês, 46,7% para Ile de France X Santa Inês, 49,5% para Poll Dorset X Santa Inês e 47,5% para Santa Inês. Furusho-Garcia apresenta rendimento de carcaça de 48,1% para cruza de Texel X Santa Inês. Notter et al apresenta rendimento de carcaça de 56,7% para cruzamentos de Dorper X ovelhas comerciais...

Um trabalho da EMEPA/PB tras a seguinte conclusão: "O genótipo Dorper x Santa Inês pode ser utilizado na obtenção de maiores rendimentos de carne e de componentes não constituintes da carcaça".

Furusho Garcia et al afirma: "A utilização das raças Texel e Dorper em cruzamento com Santa Inês eleva o rendimento das carcaças." O Dorper e White Dorper atingem, à campo, o peso de 40kg vivo ao redor de 100-120 dias de vida.

Estes números não são achismos, são trabalhos publicados, são dados reais obtidos por pesquisadores. Para muitos estes números demonstram claramente as vantagens da utilização do Dorper e White Dorper e da aquisição dos reprodutores destas raças.

Referente ao cruzamento absorvente, veja o exemplo da Austrália e como eles aumentaram o preço da carne de ovinos australiana no mercado internacional: a partir do aumento do rebanho cruzado de Dorper e White dorper. Com a queda do preço da lã, passaram a utilizar o Dorper e White Dorper (principalmente o white) no rebanho lanado, com cruzamentos absorventes, onde hoje possuem grande plantel cruzado com alto grau de sangue dorper e white dorper.
São estes os ovinocultores que estão sendo melhor remunerados na carne. É o Dorper e o White Dorper que melhoraram a remuneração do produtor de carne australiano.

Referente a seleção que deve citar, sugiro antes de comentá-la, entender como esta é realizada. Os animais são selecionados, principalmente na Austrália, por DEPs (o melhor programa de melhoramento de ovinos no mundo atualmente, o LAMBPLAN). Após esta primeira seleção, os animais que continuarão nos rebanhos de melhoramento genético passam pela classificação modelo sul africana, onde avaliam diversas características. Entre em contato com a ABCDorper e peça o Dorper News 2010 onde possui toda a explicação deste sistema e verá que eles, a décadas, criaram um modelo complexo e ao mesmo tempo simples que permitiu o dorper ser o que é hoje. Verá que fantástico é este sistema que ninguém conseguiu criar um similar tão eficiente.

Att.
Pedro Nacib Jorge Neto
Médico Veterinário
Corpo Técnico da ABCDorper
AllStock do Brasil Genética Ltda."

Clique aqui para ler mais opiniões sobre este assunto.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade