Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Pesquisa reduz o tempo de anestro em ovelhas

postado em 03/02/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Pesquisas desenvolvidas pela Embrapa Meio-Norte estão comprovando o elevado potencial produtivo de ovinos deslanados na região Nordeste. Por meio da suplementação alimentar e do controle da amamentação, a pesquisadora Tânia Maria Leal, coordenadora do projeto, afirma que foi possível reduzir o tempo do anestro (ausência de cio) pós-parto em ovelhas da raça Santa Inês de 120 para 74 dias, o que aumenta a capacidade reprodutiva desses animais.

As pesquisas estão sendo desenvolvidas na fazenda modelo da Embrapa Meio-Norte, na cidade de Campo Maior/PI, onde são criados ovinos da raça Santa Inês. Apesar da pesquisa ter sido desenvolvida com ovinos dessa raça, a pesquisadora afirma que os resultados podem ser aplicados a outras raças, criadas em condições edafoclimáticas (características de solo, clima e vegetação) semelhantes.

As principais ações da pesquisa são a suplementação alimentar aplicada às matrizes reprodutivas e às crias e o controle da amamentação. Após o parto, as crias ficam junto com a mãe até o 15º dia, quando é iniciada a amamentação controlada, onde elas passam a mamar apenas duas vezes ao dia, pela manhã e à tarde, durante 30 minutos de cada vez. O estímulo mamário decorrente da amamentação altera a função ovariana, atrasando o restabelecimento da atividade reprodutiva após o parto e reduzindo o tempo de anestro dessas ovelhas.

Outro fator que influencia o reinício da atividade ovariana pós-parto nas ovelhas é a nutrição. A ausência de uma nutrição adequada atrasa o restabelecimento dessa atividade, por isso as fêmeas devem estar bem nutridas no final da prenhez e no pós-parto para que possam reduzir o período de anestro após o parto. As pesquisas mostraram que essas duas práticas não trouxeram prejuízos ao desenvolvimento das crias e reduziram o tempo em que as ovelhas podem voltar a reproduzir.

Foram constatadas ainda que a suplementação alimentar oferecida a ovelhas nessa fase exerce uma influência positiva no peso das matrizes e no desempenho dos cordeiros. Os cordeiros que tiveram a amamentação controlada e suplementação alimentar apresentaram um desenvolvimento até mais rápido do que aqueles que ficaram na dependência do leite materno.

As informações são da Embrapa Meio Norte, resumidas e adaptadas pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade