Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Pesquisas da Embrapa e da Ufrgs desvendam a scrapie

postado em 12/09/2012

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Pesquisadores do Setor de Patologia Veterinária e do Laboratório de Biologia Molecular Aplicada, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), e da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia foram responsáveis por avaliar genomas de 1.400 ovinos de 13 raças, incluindo localmente adaptadas e importadas, com o objetivo de detectar a suscetibilidade à scrapie. De acordo com o professor e pesquisador da Ufrgs Sérgio Ceroni, a pesquisa resultou no desenvolvimento de um método molecular capaz de identificar, numa população de ovinos e caprinos, indivíduos cujos genótipos são mais suscetíveis ao desenvolvimento da doença neurodegenerativa fatal que afeta o sistema nervoso de ruminantes.

Não há tratamento para a scrapie. O contágio se dá pelo líquido amniótico da fêmea ao borrego, logo após o nascimento. Nesse sentido, o único modo de erradicá-la é por meio da eliminação dos exemplares contaminados. "A predisposição à infecção pelo agente priônico pode ser influenciada pela presença de mutações no gene da proteína PrP, com cinco grupos de risco já estabelecidos (desde risco muito baixo até um muito alto), dependendo da mutação presente", explica o pesquisador da Ufrgs.

Segundo Ceroni, o método desenvolvido permite determinar, de maneira rápida e relativamente barata, a partir de uma amostra de sangue tirada no campo, quais são as mutações presentes no gene PrP de um animal e, portanto, em qual grupo de risco ele se encontra. Usando esta informação, os exemplares com mutações no gene PrP, que tornam eles mais suscetíveis de desenvolver a doença, podem ser retirados da reprodução. "A tendência é que fiquem nos rebanhos animais com genes que confiram mais resistência à scrapie", explica Ceroni. Mas, para que essa identificação seja mais eficiente, salienta o pesquisador, é preciso ter os genes de um rebanho muito maior de ovinos e caprinos, o que só ocorreria com a concordância dos produtores.

As doenças emergentes, entre as quais a scrapie, impedem o Brasil de exportar animais em pé, sêmen e embriões a outros países. Até mesmo o Paraguai só aceita produtos genéticos de quem é livre das doenças emergentes ou que tenham um protocolo sanitário confiável, o que deixa o Brasil de fora.

As informações são do Correio do Povo, adaptadas pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade