Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

PIB do agronegócio tem queda de 0,53% no 1º trimestre

postado em 18/06/2009

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio registrou no primeiro trimestre de 2009 uma queda de 0,53%, segundo levantamento feito pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea/USP). Este resultado, reflexo da crise mundial que atingiu vários setores da economia, segue trajetória de retração iniciada em outubro do ano passado, o que resultou em uma queda acumulada de 2,26% em seis meses. Em março, a variação do PIB ficou negativa pelo sexto mês consecutivo e fechou em -0,13%. "Se o PIB continuar neste ritmo, não deverá crescer este ano", alertou a presidente da CNA, senadora Kátia Abreu.

Na sua avaliação, para que o setor tenha, em 2009, comportamento semelhante ao de 2008, quando a expansão foi de 6,97% e o PIB totalizou R$ 764,6 bilhões (26,46% do PIB Brasil), o agronegócio precisaria crescer a uma taxa mensal de pelo menos 0,80%. "No entanto, isso é improvável, em um cenário de contração de crédito. Os segmentos mais afetados são os que normalmente demandam mais recursos", afirmou Kátia Abreu. Segundo a pesquisa da CNA e do Cepea, o quadro foi mais grave no segmento de insumos, que apresentou recuo de 1,16% nos primeiros três meses do ano, fator atribuído ao resultado negativo de 1,88% do setor de insumos agrícolas, que prejudicou também o agronegócio da agricultura, cuja taxa ficou negativa em 0,82%. Já o agronegócio da pecuária teve acréscimo de 0,17%, insuficiente para compensar as perdas na agricultura.

A retração de 0,77% observada na produção primária de janeiro a março também contribuiu para o comportamento do PIB. Novamente, a agricultura puxou o resultado para baixo, com queda de 1,90% nos primeiros três meses deste ano. Já na parte da pecuária, o segmento dentro da porteira teve variação positiva de 0,77% no acumulado de 2009, desempenho considerado modesto se comparado ao crescimento de 3,06% observado no mesmo período do ano passado. Outro setor que apresentou retração foi o da indústria (-0,18%), no qual a pecuária obteve o pior resultado, com variação negativa de 0,94%. O segmento de distribuição teve decréscimo de 0,42%.

Valor Bruto da Produção

As estimativas do Valor Bruto da Produção (VBP) calculadas para 25 produtos do setor agropecuário deverão atingir R$ 271,9 bilhões em 2009, queda de 6,5% quando comparado a 2008, quando o valor total foi de R$ 290,81 bilhões. Uma das justificativas para esta redução é a queda da produção de grãos na safra 2008/2009, que atualmente está estimada em 134,1 milhões de toneladas, 10 milhões de toneladas a menos do que o volume colhido na safra anterior (2007/2008). Outros fatores que explicam este resultado é o menor uso de tecnologia nas lavouras, os problemas climáticos em diversas regiões produtoras e a redução dos preços médios praticados.

Entre as culturas com maior queda de faturamento estão o milho (27,2%), ovos (21,9%), suínos (20,8%), feijão (18,5%), leite (17,8%) e soja (17,2%).

As informações são da CNA, adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade