Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Planos de negócios ovinos atraem 1.500 produtores no Uruguai

postado em 12/09/2012

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Ao final do prazo de inscrição, 1.500 produtores de ovinos se apresentaram ao chamado do Ministério da Pecuária, Agricultura e Pesca (MGAP) do Uruguai, somando 142 planos de negócios para aumentar a produção, informou o responsável pela Promoção e Gestão Territorial da Direção Geral de Desenvolvimento Rural (DGDR), José Taddeo.

Segundo ele, a iniciativa incentiva os produtores a "adotar tecnologias que sirvam para articular ações conjuntas" e assim melhorar a produção. Trata-se de projetos grupais, que devem incluir pelo menos cinco produtores por grupo que estejam registrados como produtores familiares no MGAP. O MGAP aportará 50% do valor do projeto, com máximo de US$ 8.000 para um plano de US$ 16.000. Taddeo recordou que se alguma iniciativa superar esse valor, por exemplo, chegando a US$ 20.000, somente receberá US$ 8.000. Cada gestor ou responsável técnico de um projeto deverá cobrar US$ 3.000, um valor que ainda não foi definido.

Entre as tecnologias que os produtores podem incorporar estão a tosquia pré parto ou o pacote reprodutivo, que inclui encarneirada tardia, ecografia para detectar ovelhas "melliceras" (com gêmeos) ou a possibilidade de afinar o velo. Também é possível que alguns produtores se associem para comprar um carneiro que lhes sirva para produzir cordeiro pesado, exemplificou Taddeo.

Por outro lado, ele disse que os planos apresentados agora serão analisados pelas Mesas de Desenvolvimento Departamental, que serão as encarregadas de dar o aval para que os projetos entrem na etapa de avaliação técnica, que outorgará a cada um uma pontuação, já que se trata de uma iniciativa de concurso.

A ideia do MGAP é que os planos de negócios sejam aprovados em outubro e comecem a ser executados em 1 de dezembro. Para o primeiro ano, o MGAP dispôs de US$ 2 milhões para essa iniciativa de apoio ao setor ovino. Esse é o segundo chamado realizado pelo MGAP. No anterior, foram apresentados 59 planos de negócios e 28 foram aprovados, beneficiando 268 produtores familiares, mas a iniciativa teve restrições financeiras que a dificultaram.

A reportagem é do El Observador, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade