Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

PR: Iapar entrega 50 caprinos para agricultores familiares

postado em 24/05/2013

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Na tarde de ontem (23), 50 bodes foram entregues na sede do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), unidade de Pato Branco. Cada animal custou simbolicamente R$ 100, frente ao preço praticado comercialmente, que fica em torno de R$ 2 mil.

Somente receberam animais aqueles produtores ligados à agricultura familiar. Outros critérios observados por profissionais da Empresa Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) previam a participação em curso do Senar, ter iniciado um plantel e ter adequado ou estar adaptando suas propriedades a questões ambientais.

O Iapar apenas entregou bodes, pois as fêmeas são oferecidas aos centros agrícolas, universidades, associações e casas familiares rurais. A entrega de fêmeas não atingiria significativamente a todos os interessados, além de elas não conseguirem repassar o gene de forma expressiva. “Um macho consegue deixar seu gene em 20 a 30 fêmeas. O melhoramento genético através do macho funciona igual aos programas de inseminação artificial”, fala o pesquisador da área de nutrição animal do Iapar, André da Silveira.

Crescimento do setor

No Sudoeste existem 30 mil caprinos divididos em duas mil propriedades. Até hoje, o instituto entregou aproximadamente 1.000 animais. Pato Branco tem uma cooperativa de carne de ovinos e caprinos. Por sua vez, o município de Francisco Beltrão possui uma associação de caprinos.

Segundo o médico-veterinário da Emater, José Antônio Vieira, a caprinocultura está apenas no início e muita coisa precisa ser feita para efetivar o crescimento da cadeia produtiva. De acordo com ele, a estação do Iapar multiplica caprinos desde 2006 e é a única do Estado. “Estamos iniciando a produção. Não temos mercado garantido. Estamos na busca dessa cadeia”, fala.

Melhoramento Genético

O programa desenvolvido pelo Iapar tem a Emater como parceira e é supervisionado pela Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (Seab). A proposta, desde o início, está voltada à busca de melhoramento genético da raça Boer e são trabalhadas questões como nutrição, sanidade e genética. “Trabalhamos para obtermos maior rendimento, melhoramento de carcaça e maior ganho de peso”, aponta Silveira.

Para envolver a caprinocultura de leite, o pesquisador do Iapar diz que precisaria de consumidor efetivo, produção mais especializada, industrialização local, entre outros fatores.

As informações são do Diário do Sudoeste, resumidas e adaptadas pela Equipe FarmPoint.  

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

josé Carlos Rodrigues da Luz

Serra Talhada - Pernambuco - Consultoria/extensão rural
postado em 02/06/2013

o passo que aí voces têm boa condição alimentar , porém  clima desfavorável  devido períodos constantes de baixas temperaturas. Quero apenas lembrar-lhes de que os caprinos, independente da genética, vivem e prosperam melhor em temperaturas elevadas e ambientes protegidos de excesso de frieza e umidades (a noite principalmente) Quanto ao Boer  é uma boa genética para produção de carne, entretanto, nós aqui praticamos cruzamento com cabras anglo Nubiana e outras mais nativas de grande porte de carcaça para ser preenchido com a carne  sem que se transmita excessos de gorduras gerados pelo Boer quando cruzado entre si. Gostaria de saber do Senhor , como veterinário, como vêm por aí os nossos rebanhos e em que devemos melhorar  para atingirmos  melhor produção e competitividade?  Abraço JCLUZ , 02 de junho de 2013- Serra Talhada-Semiárido Pernambucano.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade