Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Preço de terras agrícolas cresce 11% neste ano, diz Informa

postado em 02/12/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Os preços das terras agrícolas no Brasil tiveram uma alta real de 10 por cento em 2011 na comparação com 2010, ainda sob influência dos ganhos das commodities, cuja queda recente ainda não chegou a impactar negativamente no valor das propriedades rurais, informou nesta quinta-feira a Informa Economics FNP.

Em termos nominais, sem considerar a atualização dos valores pela inflação, a alta nos preços das terras é de 18 por cento na comparação com o ano passado. O preço médio da terra no país está em cerca de 5 mil reais por hectare, segundo levantamento da consultoria.

"Queda nos preços das terras a gente ainda não viu", declarou Jacqueline Bierhals, analista da Informa Economics FNP, durante evento para divulgar uma publicação online com dados da agropecuária do Brasil.

Embora os preços da soja e do milho tenham caído no quarto trimestre das máximas registradas este ano na bolsa de Chicago, os valores das terras se mantiveram firmes, ainda seguindo os ganhos na maior parte de 2011.

Segundo a analista, também colaboraram para a alta nos preços das terras alguns fatos não diretamente relacionados à agricultura, como o desenvolvimento de projetos eólicos no Nordeste, além do projeto da ferrovia Leste-Oeste. A Informa avaliou que os preços das terras no Brasil ainda têm potencial de subir mais, apesar de uma tendência crescente nos últimos anos, assim que o governo esclarecer as regras sobre a posse do ativo por investidores estrangeiros.

"As terras se valorizam porque é um bem não reprodutivo, que tende a ser mais demandado, e a demanda tende a aumentar", disse José Vicente Ferraz, diretor técnico da Informa no Brasil, referindo-se à crescente necessidade do mundo por alimentos.

A consultoria acrescentou que, apesar da alta nos custos da terra, o Brasil ainda segue competitivo frente a outros países, já que o valor do ativo também tem subido em outras partes do mundo.

As informações são do Reuters, adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade