Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Produção argentina de lã superará os US$ 300 milhões

postado em 26/05/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A Argentina é o terceiro exportador mundial de lãs finas, precedida por Austrália e África do Sul. Com 71.878 produtores de fibras de origem animal, incluindo lã, mohair, cashmere, entre outros, e um total de 16.901.211 animais, são produzidos em escala nacional cerca de 60 milhões de quilos anuais, que podem ser comercializados por mais de US$ 346 milhões.

Segundo dados da Federação Laneira Argentina, a produção da safra de 2009/10 se ajustou em 54 milhões de toneladas sujas e a safra seguinte, em 57 milhões de toneladas, o que permite observar uma evolução positiva do mercado.

De fato, a Argentina vende para mais de 30 países com diferentes graus de valor agregado e destina o grosso de sua produção de lã à China (29,44%), Alemanha (15,73%), Itália (14,14%), Turquia (8,27%) e Uruguai (7,83%). Apenas quatro ou cinco milhões de quilos correspondem ao mercado interno.

Embora a industrialização da lã implique em um ciclo grande e complexo - que vai desde a tosquia até a compra de, por exemplo, um pulôver por parte do consumidor final -, o potencial da cadeia é enorme: com um quilo de lã superfina que um produtor vende por cerca de US$ 10, pode ser feito um traje de verão, vendido entre 1.000 e 1.200 euros (US$ 1.407,63 e US$ 1.689,16) na Itália.

Nesse sentido, além de estar posicionada como fornecedora de lãs finas, a Argentina conta com capacidade instalada para industrialização primária, além da pureza racial e bem-estar animal, nos rebanhos e grupos de produtores competitivos e inovadores. A isso, deve-se somar a oportunidade que constitui a demanda firme por essas fibras e preços atuais, que superam amplamente a média histórica.

O diretor técnico do Laboratório de Lãs Rawson, pertencente ao Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária (INTA) Chubut, Mario Elvira, explicou que "os preços se acomodaram muito desde a crise financeira de 2008, durante a qual se viu o retrocesso de todas as commodities. Hoje em dia, estão em valores excelentes, em um dos melhores momentos".

No entanto, os países produtores também registram certa retração da oferta que, segundo o especialista, se deve a "alternativas produtivas de maior rentabilidade, à pecuária competindo com a agricultura e a uma crescente produção de carne ovina utilizando raças menos laneiras, somado a períodos cada vez mais prolongados de secas que afetam os rebanhos e suas reposições".

De acordo com Elvira, ainda que a cadeia argentina esteja fracionada e não haja indústrias integrais igual na Europa e no Oriente, a região patagônica central conta com um cluster laneiro muito importante. O pólo Textil Laneiro de Trelew concentra empresas que industrializam, comercializam e exportam. Cerca de 51% da produção de lã argentina provêm da região da Patagônia e esse pólo se localiza em seu centro geográfico.

O programa nacional de fibras do INTA - Gestão para a valorização das fibras de lã e fibras naturais -, coordenado por Elvira, contém diversas atividades relacionadas com a integração horizontal e/ou vertical dos produtores e modelos de comercialização conjunta. O programa busca fomentar uma integração vertical que lhes permita agregar valor ao industrial e ao artesanal.


Em 25/05/11 - 1 Euro = US$ 1,40763
0,71035 Euro = US$ 1 (Fonte: Oanda.com)

A reportagem é doInfocampo, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade