Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Produtora abandonou universidade para criar cabras no interior de SP

postado em 11/05/2015

8 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Heloisa Collins herdou o sítio da família: três hectares de terra escondidos em meio às montanhas da Serra da Mantiqueira, em Joanópolis, São Paulo. A ex-diretora do departamento de inglês da PUC-SP viu neste cenário uma opção de vida para depois da aposentadoria. Para quem viajou mundo afora e fez doutorado na Inglaterra, criar cabras e fazer queijos podia parecer uma atividade simples, mas dona Heloisa decidiu se especializar e investiu em um rebanho de cabras e reprodutores das raças Toggenburg e Saanen.

Dona Heloisa conhece cada animal e a histórias deles. Já os machos não recebem nome, porque não ficam na criação. Lição aprendida com a experiência. “O primeiro lote de machos que a gente teve, a gente deu nome para todos. Tinha um que chamava Jesus, porque nasceu na noite de Natal. Daí como você ia mandar Jesus para o abate?”, conta a produtora. Só os reprodutores são nomeados. Este é um capril diferente. Além da produção de leite, o lugar funciona também como atrativo para turismo rural. A limpeza é fundamental. O esterco é recolhido todos os dias e ensacado uma vez por semana para virar adubo.

As cabras ficam no pasto a maior parte do dia. O sistema é rotacionado com divisão em nove piquetes. Mas para ter um leite de qualidade, a braquiária não pode ser a única fonte de alimentação. O cardápio balanceado é fornecido no cocho com ração e volumoso. As ordenhas são manuais, uma de manhã e outra à tarde.

O capril hoje tem 25 cabras lactantes e uma produção média de 50 litros de leite por dia. Outros 80 litros são cobrados de dois produtores. E tudo vira queijo fino. A queijaria segue todas as normas exigidas para obter o selo de comercialização. Tem paredes de azulejo, câmaras frias separadas para cada categoria e maquinário em inox. São quatro funcionários e dona Heloisa coordena todo o trabalho. A limpeza é rigorosa, porque são usados tipos diferentes de mofo para produzir os queijos. A intenção é evitar a chamada contaminação cruzada, quando os mofos se misturam.

As informações são do Globo Rural, adaptadas pela Equipe FarmPoint.
 

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

André Medeiros

Quixadá - Ceará - Produção de caprinos de leite
postado em 16/05/2015

Parabéns Heloisa.
Esse é o exemplo de que a atividade dar certo.
Todos os criadores deveriam ler essa reportagem para saberem que em um sítio pequeno se consegue tocar uma caprinocultura de sucesso.
Se temos um emprego de 1 salário em qualquer local nos dedicamos no mínimo 8h por dia e fazemos todo o controle exigido pelo patrão.
Normalmente em nossas propriedades não levamos tão a sério essa dedicação e anotações.
O seu exemplo serve de motivação pra todos nós.
Parabéns.

Hernandes Medrado Filho

Marcionílio Souza - Bahia - Produtor Rural,Consultor credenciado SEBRAE
postado em 18/05/2015

A professora Heloisa é um belo exemplo do fazer o que gosta com perfeição.Parabens a todos envolvidos.

ILSON MACHADO

Glorinha - Rio Grande do Sul - Produção de ovinos de corte
postado em 18/05/2015

Parabéns professora , vou usar o seu exemplo pra ter um pouco mais de coragem.
Só não mudei de ramo ainda porque me falta coragem.
Muito sucesso e saúde.
Um abraço  

José Wilson

OUTRA - OUTRO - OUTRA
postado em 18/05/2015

Professora, boa tarde.

Sou de Teresina Pi e após 35 anos de Banco do Brasil me aposentei e estou iniciando criação de ovinocaprinocultura. Tenho um filho fazendo residência na Unifesp e outro que se formou na Unicamp em Engenharia de Computação e mora em Campinas SP.
Gostaria de saber se posso visitar seu sítio quando eu estiver indo visitar os filhos no início de junho próximo ?

-Onde fica o seu sítio? Próximo a Campinas?

Atenciosamente,

José Wilson
(86) 8834 0688

isabel martinha s. leite

OUTRA - OUTRO - advogada/ ramo de direito agrario
postado em 19/05/2015

Parabéns professora !

A coragem de  investir na criação de cabras e tornar sustentável o negocio é o que falta a muitos brasileiros, especialmente, nos do nordeste, pois temos terra mas falta agua e incentivo do poder publico, para melhoria de condições, mas quem sabe com estes exemplos poderemos mudar o comportamento e visão no modo de criar animais de pequeno porte, visto que a grande maioria dos nordestinos são oriundos das roças e sabem cuidar de terra e animais.
Obrigada a equipe do FarmPoint, pela publicação da matéria.

Jairo d Pereira

OUTRA - OUTRO - OUTRA
postado em 19/05/2015

Heloisa!
Achei muito interessante sua iniciativa, amo a zona Rural, tenho intenções de ter um uma criação de ovinos, sei que o seu são os caprinos, mas me parece muito similares, por ser animais doceis, e de fácil manuseio, espero ter a coragem de colocar esse ideal a frente.
Grato.
Jairo.

Hermano Madaleno Marques

OUTRA - OUTRO - OUTRA
postado em 29/05/2015

Uma opção interessante para quem se interessa por animais. em portugal tenho algumas raças puras de caprinos de leite em sistema intensivo e extensivo.

Magno Xavier

Santana do Matos - Rio Grande do Norte - Produção de Ovinos Dorper de Elite
postado em 24/06/2015

Olá, bom dia.
Belo exemplo de dedicação e sucesso. Já vi outro exemplo parecido em um vídeo no YouTube, onde a moça - formada em Administração - também herdou uma propriedade da família e, ao invés de seguir carreira em uma grande cidade, em uma grande Empresa, escolheu administrar a fazenda na criação de ovinos de corte... São exemplos que mostram que é possível sim, profissionais de diversas áreas administrarem verdadeiras "Empresas Rurais". Está mais do que na hora de abolirmos o preconceito que ainda existe quanto a agropecuária brasileira, talvez devido ao homem do campo - principalmente aqui no Nordeste - ter tido pouca ou nenhuma condição de estudar, desenvolvendo uma agropecuária rudimentar, mas os tempos são outros, temos que ajuda-los a se profissionalizar, afinal a Agropecuária é quem carrega este Brasil nas costas, em tempos de queda na Industria, Comércio e Serviços como estamos vendo atualmente, somente a Agropecuária cresce... Também sou exemplo desses novos tempos. Sou Economista e Esp. em Gestão de Empresas pela UERN e, tenho uma propriedade que pretendo administra-la como se fosse uma Empresa mesmo, trabalho atualmente no melhoramento genético de raça de Ovinos Dorper e tenho muito trabalho pela frente... rsrs.
Bons negócios a todos.  

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade