Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Produtores argentinos querem política ovina na Patagônia

postado em 07/03/2013

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O presidente da Sociedade Rural Argentina (SRA), Luis Miguel Etchevehere, pediu uma política ovina integral que devolva rentabilidade aos produtores da Patagônia, que enfrentam hoje um duro contexto. “O panorama aqui é muito grave. Após três anos de seca, somados aos efeitos do vulcão Chaitén em 2008, e Puyehue, em 2011, a produção ovina reduziu a menos de 10 milhões de toneladas, com uma queda de 37% desde 2007, o nível histórico mais baixo. A produção de lã caiu para 44 mil toneladas anuais contra 75 mil da safra de 2004/05, e somente na província de Santa Cruz, registrou-se uma queda de 33% no rebanho, entre 2010 e 2012, com um saldo de 600 campos vazios”.

Nesse sentido, disse que “por isso, devem-se impulsionar ferramentas que devolvam rentabilidade à produção ovina, uma atividade de vital importância na Patagônia, onde não há possibilidades de realizar outras alternativas. Do contrário, seguirão despovoando os campos”. Ele disse também que a “possibilidade de proibir as exportações de lã que a indústria solicitou, sem consultar os produtores de lã, seguirá afundando a atividade em um contexto de custos crescentes e rentabilidade nula.

A Sociedade Rural compartilha o objetivo de industrializar a ruralidade, mas não às custas do produtor, nem com medidas que castigue a produção, mas sim, através de instrumentos que fomentem todas as atividades de forma sustentável. Lamentavelmente, todavia, existem indústrias que acreditam que têm que pagar preços de remate aos produtores, mas nossos países vizinhos desmentem essa teoria, já que lá as empresas pagam o preço internacional pela produção”.

Finalmente, Etchevehere solicitou que se prorrogue a emergência nacional que vence em abril para os departamentos afetados pela seca e pelas cinzas, como também o correto funcionamento da Lei Ovina. “Não queremos que essa lei seja usada para criar burocracia, mas sim, para atender as reais necessidades do produtor de lã e para fomentar o arraigo”, disse ele.

A reportagem é do La Opinión Austral, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.
 

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade