carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Programa estadual amplia controle sanitário e fomenta a ovinocultura gaúcha

postado em 26/02/2014

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O Estado do Rio Grande do Sul é o primeiro no País a contar com um programa voltado à sanidade ovina. No último final de semana, no Parque de Exposições de Jaguarão, na 41ª Exposição de Ovinos Meia Lã, o secretário da Agricultura, Pecuária e Agronegócio, Luiz Fernando Mainardi, lançou o Programa Estadual da Sanidade Ovina (Proeso). O programa visa ampliar o controle sanitário do rebanho ovino gaúcho e, com isso, ampliar as possibilidades de comercialização.

Fruto da necessidade de atacar enfermidades que comprometem a saúde animal e a comercialização, o programa é piloto no país. Em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) foi elaborado à partir de demanda da Câmara Setorial da Ovinocultura ao longo de dois anos de debates entre universidade e técnicos da Seapa. Nesse período, eles estudaram programas sanitários de outros países ovinocultores e doenças de notificações obrigatórias que ainda não faziam parte da legislação estadual.

Entre os objetivos estão controlar, erradicar e prevenir doenças. Num primeiro momento, vai tratar da sarna e “piolheira” e a epididimite ovina. A epididimite causa declínio na eficiência do sistema de produção por reduzir ou até anular a fertilidade dos carneiros. Através da Portaria 163/2013, a Seapa colocou o programa em Consulta Pública.

O secretário da Agricultura destacou, no lançamento, que esta é mais uma medida do Governo do Estado inserida no programa de fortalecimento da ovinocultura. “Temos o Mais Ovinos no Campo que é um sucesso e tem contribuído para impulsionar o aumento do rebanho. Desenvolvemos em parceria com a Arco e outras entidades, uma série de ações que buscam atualizar o produtor, melhorar a qualidade dos produtos e, com o Proeso, atacaremos a questão da sanidade, fundamental para nos habilitar a uma presença mais intensa em outros mercados”, explicou Mainardi.

“Somos o único estado da federação que tem e sempre teve legislações próprias para a sanidade ovina devido à importância histórica dessa criação para a economia gaúcha. Até o final da década de 80 possuíamos uma população de mais de 13 milhões de ovinos. Com o passar dos anos este número decresceu. A criação do Mais Ovinos possibilitou que saíssemos de 3,5 milhões para mais de quatro milhões de animais em dois anos”, afirma Mainardi.

Como funcionará

O Departamento de Defesa Agropecuária (DDA) certificará estabelecimentos que aderirem e atenderem requisitos sanitários específicos de enfermidades regulamentadas pelo programa. Em princípio, a adesão será voluntária. Um comitê será responsável pelo gerenciamento. Participarão os serviços veterinários oficiais do Estado e da União, instituições de pesquisa e ensino, associações de criadores e o setor produtor.

Histórico da defesa sanitária na ovinocultura

Na década de 40, um decreto instituiu a obrigatoriedade do combate à sarna ovina. O documento ajudou a alavancar o trabalho na área de sanidade animal até os dias atuais. Em 1955, no entanto, outro decreto instituiu o combate ao piolho. Nos anos 70, o combate a hidatidose e parasitose ligada à ovinocultura e outras espécies também teve início. Em meados da década de 2000, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) acenou a possibilidade de implantar o que chamou de Programa de Sanidade Caprina e Ovina (PNSCO), o que acabou não acontecendo.

Veja mais detalhes sobre o Proeso clicando aqui. 

As informações são do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, adaptadas pela Equipe FarmPoint.
 

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade