Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Projeto busca melhorar a qualidade da carne de cordeiro

postado em 15/02/2012

3 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Dois dos grandes problemas enfrentados pela cadeia produtiva de ovinocultura são a falta de qualidade da carne e a sazonalidade na produção de cordeiros. Desde o dia 19 de janeiro deste ano, foi iniciado o projeto "Sistemas de alimentação de cordeiros para a produção de carne de qualidade no outono: redução da sazonalidade de produção associado à sustentabilidade ambiental e econômica", numa parceria entre a Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

O projeto está sendo desenvolvido no Centro de Ensino e Pesquisa em Ovinocultura (Cepov), na Fepagro Viamão. No local, pesquisadores farão estudos que tiveram quase seis anos de planejamento e preparação. O trabalho irá avaliar os diferentes sistemas de alimentação de cordeiros terminados em pastagem de verão, para a produção sustentável de carne ovina de qualidade no outono. "Durante o período em que a ovinocultura no RS era destinada exclusivamente à produção de lã, o pouco consumo que havia era de animais de descarte, velhos e de baixa qualidade e que já não respondiam quanto à produção de lã" - relata o chefe da Divisão de Validação de Tecnologias, Produção e Prestação de Serviços, Flávio de Conde Albite.

Essa conjuntura criou uma rejeição do consumidor à carne de ovelha. Com a entrada do fio sintético no mercado, seu consumo ficou ainda mais restrito. A carne de cordeiro será apresentada como alternativa econômica, reconhecendo nos ovinos uma espécie que completa o manejo de pastagens quando consorciado com o gado, acreditam os pesquisadores.

A pesquisa multidisciplinar é coordenada pelos pesquisadores da Fepagro, Zélia Maria de Souza Castilhos e Flávio de Conde Albite, responsável pela unidade de pesquisa em Viamão e pelo engenheiro agrônomo e professor da UFRGS, Cesar Poli. Também participam cientistas da Universidade Federal do Paraná e da UFRGS.

Informações inéditas

O projeto gerará os seguintes dados: desempenho da pastagem; desempenho animal; emissões de metano; infecções de parasitoses gastrointestinais; características da carcaça do cordeiro; qualidade da carne; resposta genética dos animais; informações para modelar análises econômicas de diferentes sistemas de alimentação de cordeiros terminados no outono.

A pesquisa dará um importante impacto na redução da sazonalidade de produção de carne de ovinos, no melhoramento da sua qualidade e na sustentabilidade ambiental. Essa diminuição de períodos promoverá avanços importantes na indústria (com a diminuição da capacidade ociosa) e no comércio, além de gerar impactos para o consumidor (com o oferecimento de carne de qualidade) e para o produtor (com o aumento do retorno econômico).

Tempo de avaliação

A avaliação será feita durante dois anos. No primeiro ano, serão analisados três tipos diferentes de gramíneas de grande importância para o Brasil e principalmente para a região Sul: grama bermuda (Cynodon spp.cv. Tifton-85); capim aruana (Panicum maximum cv. IZ-5); e braquiária brizanta (Brachiaria brizantha cv. Marandu).

"O critério que nós vamos usar é a avaliação econômica. Qual a melhor espécie forrageira em termos econômicos? Também vamos avaliar como os animais vão se comportar" - explica Zélia Castilhos, responsável pelas avaliações de pastagem. Quem cuidará das avaliações durante este primeiro ano de estudos de desempenho de pastagem e do desempenho animal será a aluna de doutorado Andréia Barros de Moraes. "Nós vamos verificar qual a melhor pastagem. A que der melhor rendimento de gordura de cobertura. E aquela que tiver melhor retorno econômico vai ser repetida na segunda fase do projeto com suplementação" - salienta Andréia.

Um dos graves problemas que afetam a agropecuária é o parasitismo. Quem fará análises e pesquisas sobre o assunto é o aluno de mestrado Fernando Magalhães de Souza. "Nós estamos tentando identificar e entender como o ambiente influencia na infestação das larvas na pastagem, por isso analisamos temperatura, umidade e incidência de raios solares. Além disso, faremos exames parasitológicos nos ovinos", explica Fernando.

Segundo ano

Será avaliada, no segundo ano, a gramínea que tiver o melhor desempenho na análise econômica, com o uso de diferentes formas de suplementação alimentar dos animais. Os tratamentos serão:

1 - Escolha da espécie de gramínea com melhor rendimento na análise econômica;

2 - Suplementação a 1,5% do peso vivo com ração à base de farelo de soja e milho, balanceada conforme requerimento alimentar;

3 - Suplementação a 2,5% do peso vivo com ração à base de farelo de soja e milho, balanceada conforme requerimento alimentar;

4 - Oferecimento de uma área suplementar sem restrição de consumo de feijão miúdo (Vigna unguiculata).

"É um estudo muito pretensioso. Nós estamos trabalhando três espécies muito diferentes e muito importantes. Cada uma delas tem qualidades e defeitos, um lado bom e um lado ruim. Eu não conheço nenhum estudo comparativo deste tipo" - salienta César Poli, responsável pelo manejo geral.

Financiamento

"Este projeto é financiado pelo CNPq, temos ajuda da Fepagro, que entrou com muitos recursos, da UFRGS e até mesmo a Universidade de Brasília (UnB). Os investimentos pagam os materiais e as bolsas dos alunos. É um grande projeto e com um excelente custo-benefício - afirma o professor. Segundo ele, serão gerados três teses de doutorado, três dissertações de mestrado e quatro estágios curriculares de diferentes universidades brasileiras e internacionais".

As informações são da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio, adaptadas pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Max Soares Garcia

Pinheiro Machado - Rio Grande do Sul - Consultoria/extensão rural
postado em 15/02/2012

Importante iniciativa, mas questiono as gramíneas utilizadas, pois o maior volume de ovinos no estado se encontra em regiões ( zona sul, campanha e fronteira oeste ) onde as baixas temperaturas, desconheço permitirem prosperar econômicamente tais gramíneas. Fica o questionamento!

Elusa Santos de Andrade

São Gabriel - Rio Grande do Sul - Instituições governamentais
postado em 15/02/2012

Ótimo projeto, há muito que a nossa ovinocultura estava precisando de pesquisas deste porte. Os resultados desse projeto serão de suma importância para nós técnicos que trabalhamos diretamente junto ao produtor e poderemos usar desses resultados para o beneficio dos produtores.

eldar rodrigues alves

Curitiba - Paraná - governo
postado em 16/02/2012

Muito bom , quanto mais estudos melhor, porem SAZONALIDADE na produção de carne ,acho que tem mais a ver com raça do que com alimentação , aqui em casa mesmo , não temos sazonalidade pois temos ciu o ano inteiro com a raça poll dorset

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade