Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Rabobank prevê contínua alta de grãos em 2011

postado em 23/12/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Os preços das commodities agrícolas, como o milho, continuarão em alta no próximo ano, devido à demanda dos mercados emergentes como a China, e ao aumento das cotações dos combustíveis, segundo análise do Rabobank.

Há uma forte demanda por matérias-primas na China, e os preços ascendentes do milho podem impulsionar a alta de outros grãos, conforme o relatório. O forte aumento do custo do petróleo, os baixos estoques mundiais de alimentos e a debilidade do dólar podem também sustentar os preços, diz o banco holandês.

As previsões se somam aos prognósticos de que o custo dos alimentos pode disparar em 2011, o que, por sua vez, pode elevar a inflação, abrindo o caminho para uma repetição do mercado altista de 2008, quando os preços subiram a níveis sem precedentes.

O aumento das importações de produtos agrícolas pela China está "transformando" certos mercados de commodities agrícolas, segundo o informe. "O milho dará o ritmo do complexo grãos" no próximo ano, com a previsão de que a China importará até 8 milhões de toneladas. "Prevemos que o aumento do preço dos combustíveis em 2011 vai estimular a alta dos preços agrícolas".

O milho na Bolsa de Chicago subiu 45% este ano, enquanto o trigo subiu 41% e a soja, 27%. O índice da Agência para Agricultura e Alimentos (FAO, na sigla em inglês) da Organização das Nações Unidas (ONU) de 55 commodities subiu pelo quinto mês em novembro para o nível mais alto em mais de dois anos.

De acordo com o Rabobank, será necessário que haja condições meteorológicas favoráveis para que em 2011 quase todos os mercados de commodities agrícolas restabeleçam seus níveis de estoques, evitando assim que os preços voltem a subir aos níveis máximos de 2007 e 2008.

Muitas commodities agrícolas, incluindo o milho, a soja e o trigo, "ainda estão baratas" mesmo depois das altas recentes e os ganhos podem se prolonga, disse Michael Lewis, de Deutsche BankAG, no mês passado. Os preços dos alimentos podem subir mais a menos que a produção mundial de cereais aumente "significativamente" no próximo ano, disse a FAO em novembro.

"A demanda da China por milho para forragem chegou a representar quase um quarto do total mundial e esperamos que o crescimento robusto continue", diz o relatório do Rabobank. A China pode se tornar um "importador líquido estrutural" de milho, diz o banco.

As importações de milho pela China podem alcançar recorde no próximo ano. O país já tem negociado compras da Argentina, segundo o Conselho de Grãos dos EUA. A estimativa é que o país pode comprar até 15 milhões de toneladas de milho de outros países em 2015, de acordo com previsão da Shanghai JC IntelligenceCo.

O relatório do banco diz ainda que os preços de energia podem aumentar, elevando a atratividade pelos biocombustíveis feitos de commodities agrícolas e estimular também o preços dos fertilizantes. "Preços mais altos de energia têm efeito sobre milho e açúcar", afirma.

As informações são da Bloomberg, publicadas no jornal Valor Econômico, resumida e adaptada pela Equipe MilkPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade