Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Reino Unido: setor ovino continuará crescendo em 2012 e 2013

postado em 02/08/2012

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Maiores números de cordeiros resultantes de maiores rebanhos de cria e maiores pesos de carcaças contribuirão para a continuidade de uma maior produção no setor ovino em 2012 e 2013 no Reino Unido, de acordo com as últimas previsões do ADHB market intelligence e do EBLEX - organização da indústria britânica de carne bovina e ovina.

O forte desempenho das exportações de carne ovina do Reino Unido também deverá continuar ajudando pela maior produção doméstica. As importações deverão continuar caindo em 2012, com alguma estabilização esperada para 2013.

Após o forte crescimento de 2,5% no rebanho de cria do Reino Unido em dezembro de 2011, mais crescimento é esperado nos próximos dois anos. Entretanto, a volatilidade do mercado até agora em 2012 tem criado certa incerteza aos produtores. Isso resultou no crescimento esperado sendo revisado para baixo com relação às previsões anteriores, com os números de animais de cria devendo crescer 1% por ano ao invés dos 1,5% previstos anteriormente.

A taxa de parição de cordeiros para a safra de 2012 deverá ficar levemente acima dos níveis de 2011. Isso, somado com um maior rebanho, poderá levar o número de cordeiro a alcançar seu maior nível desde 2008.

Apesar da expectativa de um maior número de cordeiros, as condições climáticas desfavoráveis nos últimos meses têm afetado seriamente o progresso que eles fizeram. Isso resultou em certa escassez de cordeiros terminados em junho e julho, à medida que os produtores lutaram para terminar animais. Isso provavelmente mudará o padrão de abates de cordeiros nos próximos 12 meses. A produção deverá aumentar na segunda metade de 2012, o que resultará em um aumento geral para o ano como um todo.

Nos primeiros cinco meses desse ano, as exportações permaneceram fortes e registraram crescimento de mais de 2% ao ano. Os dados comerciais de maio indicaram um aumento de 5%, à medida que a produção foi 7% maior. Isso indica que uma maior porção de qualquer aumento na produção será exportada.

A reportagem é do www.stackyard.com, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade