Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Rio Preto: frigorífico Nhandeara realiza 1º abate

postado em 03/07/2006

3 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Foi realizado, no último dia 29, o primeiro abate de ovinos no Frigorífico Nhandeara. O frigorífico foi habilitado recentemente para abater ovinos e caprinos (clique aqui para ler a notícia).

O abate foi coordenado pela Associação do Noroeste Paulista de Ovinocultores (ANPOvinos), como parte das iniciativas para o combate à clandestinidade.

Segundo Déborah Assis Barbosa, veterinária e assessora técnica e administrativa da ANPOvinos, foram abatidos 109 animais, sendo 100 cordeiros, em sua grande maioria machos. O peso médio estava na faixa dos 35 kg, e o rendimento entre 41 e 44%. "De um modo geral, as carcaças estavam padronizadas, com uma boa cobertura de gordura", afirma.


Figura 1: Animais do lote abatido no Frigorífico Nheandeara.


Figura 2: Carcaça com boa cobertura de gordura.

Além dos 10 produtores que entregaram animais para o abate, estavam presentes outros ovinocultores, mostrando interesse em participar da iniciativa em um futuro breve. No dia seguinte ao abate, o frigorífico recebeu um especialista em cortes de carcaça ovina para treinar os funcionários que irão realizar a desossa.

A associação está desenvolvendo ainda estratégias de marketing para agregar valor ao produto e incentivar a comercialização legal do produto. Uma das medidas seria a criação de uma marca para cortes específicos produzidos pelos associados.


Figura 3: Diretores e técnicos da ANPOvinos estavam presentes no abate.

Outra iniciativa que está sendo discutida é um trabalho nos restaurantes e açougues de Rio Preto visando o fim da compra de produto clandestino e a diferenciação de cordeiro e carneiro, garantindo a qualidade e segurança alimentar da carne. "Muitos restaurantes da região ainda não diferenciam o carneiro do cordeiro, e levam ao prato uma carne de menor aceitação pelo consumidor final, dando uma imagem negativa à carne de ovinos, que não será mais procurada pelo cliente insatisfeito", conta Déborah.

As fotos foram gentilmente cedidas pelo Visual Foto Estúdio

Marina A. Camargo Danés, Equipe FarmPoint

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Mário Rocha de Araújo Neto

Outro - Bahia - Estudante
postado em 03/07/2006

Parabéns por mais um passo dado pela ovinocultura.
Estamos precisando de exemplos como esse aqui na Bahia.

Walter Celani Junior

Uberaba - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 04/07/2006

São cada vez mais importantes os investimentos na área de ovinos, principalmente no que diz respeito à saída de produtos acabados para o mercado consumidor.

Um Abraço

Danielle Jesus da Silva Ribeiro

Salvador - Bahia - Consultoria/extensão rural
postado em 04/07/2006

Gostaria de desejar muito sucesso ao novo empreendimento!! Quem sabe, não comecemos a exportar bastante carne ovina e consigamos combater a clandestinidade!!!! Um abraço.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade