Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Ritmo de atividade da economia brasileira desacelera

postado em 28/02/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O ritmo de atividade da economia brasileira desacelerou, mas o tamanho da inflexão é incerto. Entre os indicadores de atividade já conhecidos há altos e baixos - na comparação entre janeiro e dezembro com ajuste sazonal caiu a fabricação de automóveis, a expedição de papelão ondulado e a movimentação de cargas nas estradas, mas cresceu a produção de aço, as encomendas de calçados e o emprego.

Grande parte dos economistas que acompanham o ritmo de atividade está convencida que a desaceleração já está forte. Para o Bradesco, o Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre terá crescimento nulo ou até queda em relação ao fim de 2010, e nas contas da LCA Consultores, a produção industrial caiu 1,5% em janeiro na comparação com dezembro. Para eles, a desaceleração justifica um corte de 0,5 ponto percentual na taxa básica de juros, e não maior que isso.

Os números negativos dos economistas contrastam com o otimismo de alguns empresários. Na Zona Franca de Manaus, a produção do primeiro bimestre foi 10% superior à de igual período de 2011, resultado que superou as estimativas da indústria local. Ancorados nas encomendas do varejo, as indústrias de calçados chegam a março com uma parcela da produção vendida acima do normal para esta época do ano.

Um dos setores industriais que foge à regra da desaceleração é o do aço. A produção de janeiro foi 15% maior que a de dezembro, considerando fatores sazonais, e o setor de distribuição informa que as vendas do primeiro bimestre superaram em 18% às de janeiro e fevereiro de 2010, ajudadas pela recuperação do mercado perdido para os importados. Já no setor de material elétrico e eletrônico, dados preliminares indicam crescimento de 6% no faturamento sobre 2010, um resultado inferior às expectativas.

No varejo de eletrodomésticos, as medidas de restrição ao crédito adotadas pelo Banco Central acabaram ajudando as vendas, na avaliação dos empresários. O consumidor, dizem, ficou com mais dinheiro no bolso sem uma prestação de carro para pagar. As lojas relatam faturamento entre 10% e 25% maior que nos primeiros dois meses do ano passado.

A matéria é de Sergio Lamucci, João Villaverde, Sérgio Bueno, Júlia Pitthan e Marli Lima, publicada no Valor Econômico, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade