Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

RN: APASA decide cota de leite de cabra

postado em 08/12/2008

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O conselho Administrativo com a participação do Conselho Fiscal da APASA decidiu que os produtores de Leite Caprino devem fornecer somente a quantidade de leite estabelecida pela média diária do volume de leite colocado nos últimos três meses. Está decisão foi tomada em virtude do volume diário está ultrapassando a cota entregue ao Governo do Estado, e a Associação não ter como comercializar a quantidade excedida.

O produtor que tem a produção até 10 litros de leite caprino por dia, não sofrerá diminuição no seu fornecimento, não podendo ultrapassar está quantidade. E nem tão pouco, complementar os 10 litros dia com leite de outro produtor, caso isso ocorra, serão punidos os dois com a exclusão no fornecimento de leite. Caso o produtor forneça a quantidade de leite (cota), superior a estabelecida, a APASA não terá em hipótese nenhuma a responsabilidade de pagamento pela quantidade da cota excedida.

As informações são da Associação dos Pequenos Agropecuaristas do Sertão de Angicos (APASA), adaptadas pela equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

Genildo Fonseca Pereira

Apodi - Rio Grande do Norte - Pesquisa/ensino
postado em 09/12/2008

Produção de Leite de Cabra no Rio Grande do Norte é Freada Por Medida Arbitrária

A caprinocultura leiteira no Rio Grande do Norte completou em 2008 dez anos de atividade, mostrando-se como mais uma atividade da agropecuária que contribui para a fixação do homem no campo, com geração de emprego e renda para os produtores rurais, principalmente para os pronafianos (produtores com propriedades menores que quatro módulos fiscais e que retiram pelo menos 80% da sua renda da propriedade rural).

Hoje, depois de dez anos de atividade, um dos problemas continua sendo o preço pago pelo litro de leite que é de R$ 1,05 desde 2003. Além disso, o sistema de cotas imposto pela principal usina de beneficiamento de leite caprino do Estado, a APASA (Associação dos Pequenos Agropecuaristas do Sertão de Angicos), a partir de 01 de dezembro de 2008, tem levado os produtores a pensarem na sustentabilidade dessa atividade que para muitos é a principal fonte de renda.

A APASA recebe do Governo do Estado uma cota de leite bem inferior a produção de leite coletada. Apesar de localizar-se na região Central do estado, no município de Angicos, a usina coleta leite de outras regiões como Agreste, Litoral e Seridó, e esse sistema de cotas obriga a associação a tomar medida de retrocesso, ultrapassada, que limita a produção diária dos produtores, fazendo com que o pequeno produtor não possa ultrapassar 10 litros de leite/dia, o que resulta em grande frustração.

Essa medida é no mínimo contraditória a todo o trabalho feito pela EMATER/RN, como a doação de tanques de resfriamento, as oficinas de ordenha higiênica, o esforço dos técnicos nos escritórios locais que estão mais próximos aos produtores ajudando na elaboração de tecnologias de conservação de alimentos como silagem, fenação e outras. Pela EMPARN, que junto a EMATER realiza o circuito de tecnologias adaptadas à agricultura familiar, com seus dias de campo voltados a caprinocultura. Também contraditório a ANCOC, que trabalha para o desenvolvimento desta atividade no estado, sendo colaboradora de um dos melhores leilões da cabra leiteira como a exemplo do que ocorreu esse ano durante a festa do boi 2008.

Portanto, na qualidade de Extensionista, Pesquisador e Produtor, venho sugerir a todos os responsáveis pela caprinocultura do estado que lutem pelo crescimento da atividade e, principalmente, por um programa de pagamento por qualidade, pois temos consciência da importância econômica e social do leite caprino para o Estado. Lutemos também pela nossa prometida fábrica de leite em pó e pela conquista de mercado diferenciado para os produtos oriundos dessa atividade séria e promissora. Só assim resolveremos o problema de escoamento de produção, já que temos potencial para produzir bem mais do que o Governo nos compra.

Genildo Fonseca Pereira
Zootecnista, Extensionista Rural II da Emater/RN

Anisio Ferreira Lima Neto

Teresina - Piauí - Pesquisa/ensino
postado em 26/12/2008

Ao ler o comentario do Sr. Genildo, achei bem interessante sua defesa, mas o problema é que a associação tem como grande comprador o Estado, o que a torna fragil frente ao mercado, devemos pensar que o limite de cotas vem para alertar a organização e os produtores para iniciarem um exercicio de prospecção de novos mercados e assim buscar a sustentabilidade, por que amigo ficara a mercê da politica e em especial dos politicos, ficamos mais frageis, embora organizados.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade